Conteúdos sobre música na Gama Revista

música

Imagem de destaque do post
Ouvir

‘Meu Coco’, novo álbum de Caetano Veloso

Nesta quinta (21), às 21h, chega aos streamings o primeiro disco de inéditas do cantor em quase 10 anos. Feito durante a pandemia, um pouco deste “Meu Coco” se tornou conhecido no mês passado, quando Caetano lançou o single “Anjos Tronchos”, a melhor discussão sobre redes sociais e tecnopopulismo, como descreveu o antropólogo Ricardo Teperman em artigo para Gama. “No final de 2019, tive um desejo intenso de gravar coisas novas e minhas”, disse o baiano ao anunciar o disco, cuja capa parece convidar para um mergulho em suas reflexões recentes. (Manuela Stelzer)
Imagem de destaque do post
Fazer

O curso ‘História da música pop: de Sinatra a Beyoncé’

O que Elvis Presley, Michael Jackson e Backstreet Boys têm em comum? Capazes de levar multidões à loucura, esses artistas são figuras centrais na história do pop. O curso proposto pelo jornalista, escritor e crítico musical André Barcinski explora a trajetória das estrelas que transformaram o gênero musical no Brasil e no mundo. Ao todo, serão quatro encontros online, com duas horas cada, às segundas-feiras à noite. Inscrições abertas na plataforma Bora Saber. (Daniel Vila Nova)
Imagem de destaque do post
Ir

Quinze dias de jazz no Sesc SP

Com 26 artistas em mais de 20 apresentações, o jazz vai tomar conta do Sesc em São Paulo na segunda quinzena de outubro. Do dia 15 ao 31, é possível acompanhar os shows do Sesc Jazz, em uma programação que se divide entre as unidades Pompeia, Pinheiros, Vila Mariana e Consolação, sem contar as apresentações disponíveis online. Programa que marca a retomada das atividades culturais na cidade, os ingressos já estão à venda na internet e também nas respectivas unidades. (Leonardo Neiva)
Imagem de destaque do post
Ouvir

‘Uma onda para Tom Zé’ homenageia artista com versões

O que Fernanda Takai, Arnaldo Antunes, André Abujamra, Leoni e a banda Vanguart têm em comum? Além do talento musical, a admiração pela vasta obra de Tom Zé. Foi buscando celebrar o legado do artista baiano que a jornalista Patricia Palumbo, fundadora e diretora da Rádio Vozes, reuniu todos eles para gravar novas versões dos clássicos de Tom Zé. "Se o caso é chorar", gravada por Fernanda Takai e John Ulhoa, é a primeira faixa, que chega às plataformas de streaming na segunda (11). (Daniel Vila Nova)
Imagem de destaque do post
Fazer

Um curso sobre vida, música e poesia de Leonard Cohen

O jornalista Daniel Benevides, colunista da Folha de S. Paulo, é o responsável pelo curso “Comparando Mitologias: a vida e obra de Leonard Cohen”, no Centro Cultural Literário Escrevedeira. Os quatro encontros pretendem passear pela trajetória do cantor e poeta canadense, a vivência dupla entre a literatura e a música, sua influência com a mistura do folk, da música cigana e da chanson francesa, arte que o acompanhou até o fim da vida. De 20/10 até 10/11, às quartas, com inscrições abertas. (Andressa Algave)
Imagem de destaque do post
Ir

Exposição repassa os 50 anos de carreira de Rita Lee

Dos instrumentos tocados na infância aos figurinos espalhafatosos, passando por ETs e naves espaciais multicoloridas, a exposição “Samsung Rock Exhibition - Rita Lee”, no Museu da Imagem e do Som, em São Paulo, reconta boa parte dos 50 anos da carreira da cantora. Com curadoria do filho João Lee e o dedo da própria artista, a mostra é um passeio por décadas de vida e história muito bem documentadas e fica em cartaz até dia 28 de novembro. (Leonardo Neiva)
Imagem de destaque do post
Ouvir

Edição comemora 25 anos do ‘Buena Vista Social Club’

Lançada em 1997, a coletânea trouxe algumas canções cubanas clássicas tocadas por artistas veteranos e nome inspirado em um antigo clube de Havana. Foi sucesso absoluto: foram mais de 8 milhões de cópias vendidas, centenas de shows, um Grammy e um documentário do Wim Wenders. Nesse aniversário de 25 anos, o álbum que colocou a música cubana no mapa mundial está sendo relançado em edição especial remasterizada cheia de músicas inéditas. A versão deluxe além de vinil duplo vem acompanhada de um livro e art prints. (Betina Neves)
Imagem de destaque do post
Ouvir

“Montero”, o primeiro álbum de Lil Nas X

Depois de hits como “Old Town Road” e “Industry Baby”, Lil Nas X finalmente dá à luz seu primeiro disco. “Montero”, que chega nesta sexta (17), sequer foi lançado e já faturou o prêmio “Vídeo do Ano” no VMAs, o mais importante da premiação da MTV. O rapper de 22 anos, que desafiou o conservadorismo do estilo quando revelou ser gay em 2019, também foi destaque por seus figurinos tanto no VMAs quanto no Met Gala. Em suas redes sociais, já lançou algumas prévias de novas canções, como “Sun Goes Down” e “Lost in the Citadel”. (Daniel Vila Nova)
Imagem de destaque do post
Ouvir

“Certified Lover Boy”, o novo disco de Drake

Com quase um ano de atraso, o rapper Drake está de volta com “Certified Lover Boy”. Após o sucesso de “Scorpion” (2018), o músico canadense lança seu novo disco nesta sexta-feira (3). O projeto, que conta com arte do artista britânico Damien Hirst, e vem atraindo atenção de muita gente, incluindo uma antiga rivalidade de Drake: Kanye West, que acaba de lançar “Donda”. Os dois rappers, que já tiveram alguns desentendimentos no passado, iniciaram uma guerra fria nas redes sociais que culminou em endereços vazados, casas vandalizadas e muitas discussões entre os fãs. (Daniel Vila Nova)
Imagem de destaque do post
Ouvir

“Mano a Mano”, o novo podcast de Mano Brown

A voz mais conhecida do rap nacional, o líder dos Racionais MCs resolveu se aventurar, após 30 anos de carreira, como entrevistador no novo podcast “Mano a Mano”, do Spotify. Conhecido por opiniões fortes, Brown propõe um diálogo na nova empreitada, ouvindo personalidades de diferentes áreas e espectro político, como o vereador paulistano Fernando Holiday, o técnico Vanderlei Luxemburgo e o pastor Henrique Vieira. O primeiro episódio, no ar nesta quinta (26), traz uma conversa com Karol Conká. (Amauri Arrais)
Imagem de destaque do post
Ouvir

A nova fase de Lorde

Quatro anos depois do aclamado “Melodrama”, Lorde retorna com “Solar Power”. O terceiro álbum da cantora neozelandesa será lançado nesta sexta-feira, dia 20, e promete uma sonoridade distinta dos últimos trabalhos da artista. Com direito a violão e backing vocals de Phoebe Bridgers e Clairo, Lorde afirmou que esse disco representa uma nova fase em sua carreira. Para os ansiosos, já é possível conferir as músicas "Solar Power", "Stoned at the Nail Salon" e "Mood Ring". (Daniel Vila Nova)
Imagem de destaque do post
Ouvir

Segunda temporada de podcast conta trajetória de Rita Lee

Depois de Zeca Pagodinho, o podcast Identidade Musical, produção da Universal Music, mergulha na segunda temporada na trajetória de Rita Lee. Nos quatro episódios, entendemos como a cantora de 73 anos, declarada fã dos Rolling Stones e Carmen Miranda, fez a melhor tradução do rock brasileiro, sem nunca se prender a um estilo. Além dos depoimentos da própria Rita e do parceiro Roberto de Carvalho, um time de músicos, produtores e cantores fala da influência da roqueira, entre os quais Tom Zé, Marisa Monte, Marina Lima e Letrux. (Amauri Arrais)
Imagem de destaque do post
Ouvir

O novo álbum de Billie Eilish

Após um disco de estreia que lhe rendeu cinco Grammys, entre os quais o de Artista Revelação e Álbum do Ano, Billie Eilish retorna com “Happier Than Ever”. Lançado há uma semana, o álbum aposta em um pop minimalista e melódico com letras que retratam a fama repentina de Billie, que tem apenas 19 anos, e a pressão estética e mental que vem com uma carreira de popstar. Com 16 faixas, que incluem até mesmo uma canção inspirada na bossa nova, o álbum já está disponível nas plataformas de streaming. (Daniel Vila Nova)
Imagem de destaque do post
Assistir

Concerto inédito de Chick Corea na Osesp

Um concerto com quatro movimentos para trombone (que inclui uma introdução, uma espécie de “passeio”, um movimento mais lírico e até um tango) foi uma das últimas obras compostas pelo norte-americano Chick Corea (1941-2021), um dos grandes nomes do jazz mundial, a pedido do amigo Joseph Alessi, solista da Filarmônica de Nova York. Sua estreia acontece com Alessi em apresentações da Osesp entre os dias 5 e 7, e será transmitida ao vivo no YouTube da Osesp nesta sexta (6). (Isabelle Moreira Lima)
Imagem de destaque do post
Ouvir

“Drama”, o novo álbum de Rodrigo Amarante

Depois de oito anos, Amarante retoma a carreira solo com novo álbum, que começou a ser gravado antes da pandemia e foi finalizado em estúdio caseiro em Los Angeles, nos EUA, onde ele mora. Fãs de Los Hermanos devem curtir canções como “Maré” e “Eu Com Você”, enquanto faixas como “Tara” e “Tanto” mostram o ótimo lado experimental dessa fase do artista. Surpreendem também a existencial “Um Milhão” e “Drama”, que abre o disco, faixa curta com uma orquestra de cordas e risadas ao fundo. (Betina Neves)
Imagem de destaque do post
Assistir

Palavras de amor de Leonard para Marianne

Quando a norueguesa Marianne Ihlen estava em seu leito de morte, recebeu uma mensagem de Leonard Cohen, músico e poeta com quem viveu um casamento aberto nos anos 1960 na idílica ilha de Hydra, na Grécia. A mensagem, arrepiante, tem as palavras de amor que dão título ao documentário “Marianne and Leonard - Words of Love”, disponível na Netflix. Vale pela história única e envolvente, os depoimentos tocantes e as imagens raras. (Isabelle Moreira Lima)
Imagem de destaque do post
Assistir

AmarElo: filme do concerto de Emicida acaba de entrar na Netflix

Premiado recentemente em Cannes, o rapper paulistano Emicida faz uma nova aparição na Netflix agora em julho. O show gravado no Theatro Municipal de São Paulo, cujos trechos são usados ao longo do documentário “AmarElo - É Tudo pra Ontem”, está disponível na íntegra no streaming desde o dia 15. Como o nome indica, a apresentação traz os hits do seu álbum AmarElo, de 2019, caracterizado por rimas progressivas e batidas ecléticas. (Leonardo Neiva)
Imagem de destaque do post
Ler

Livro analisa a relevância do disco “Sobrevivendo no Inferno”, dos Racionais

Lançado em 1997 pelo selo independente Cosa Nostra, “Sobrevivendo no Inferno”, dos Racionais MC’s, vendeu mais de 1,5 milhão de cópias e é hoje considerado o álbum mais importante do rap brasileiro. Contendo “Diário de um Detento”, entre outros hits, ele agora virou tema da coleção O Livro do Disco, da editora Cobogó. “Racionais MC’s: Sobrevivendo no Inferno”, de Arthur Rocha, reúne uma miscelânea de vozes num panorama que busca refletir a relevância estética, social e política da obra. (Leonardo Neiva)
Imagem de destaque do post
Ouvir

O primeiro de quatro novos singles de Letrux

Na sexta-feira (2), a cantora, compositora e colunista da Gama Letrux lança “I’m Trying to Quit”, primeiro de uma série de quatro singles que a artista promete colocar no ar no segundo semestre. Composta em 2013, a música deu as caras em alguns shows da cantora, mas nunca chegou a ser gravada. Impedida pela pandemia de fazer a turnê do disco “Aos Prantos”, de 2020, Letrux também lançou em fevereiro deste ano o EP “Prantos Pandêmicos”, com releituras de cinco faixas do álbum anterior. (Leonardo Neiva)
Imagem de destaque do post
Ler

Você realmente conhece João Gilberto?

Há anos definido como um gênio musical exigente, João Gilberto acaba de ganhar nova biografia -- a primeira escrita por uma pessoa próxima ao músico. Em título publicado pela Lazuli, o poeta Luiz Galvão, dos Novos Baianos, desvenda uma personalidade totalmente diferente do artista recluso que conhecíamos. O caráter ranzinza ainda está ali, mas junto a ele, emerge entre as palavras um homem simpático, brincalhão e generoso com os amigos. (Manuela Stelzer)
Imagem de destaque do post
Assistir

Espetáculo audiovisual com Filipe Catto inaugura série “Instantâneas”

Filipe Catto inaugura a série do Instituto Moreira Salles que busca promover o diálogo entre música e fotografia. Neste sábado (3), às 21h, no canal da instituição no YouTube, Catto protagoniza “Metamorfoses”, com músicas inspiradas na mostra da fotógrafa Madalena Schwartz (1921-1993), que registrou travestis e transformistas de São Paulo na primeira metade dos anos 1970. A mostra está em cartaz até setembro no IMS Paulista. (Amauri Arrais)
Imagem de destaque do post
Ouvir

O retorno do Kings of Convenience, após 12 anos

Há mais de uma década sem gravar um álbum inédito, a dupla norueguesa Erlend Øye e Eirik Glambek Bøe está de volta com “Peace or Love”. Aos 45 anos, os dois preservam intacto o talento de transformar em singelas canções pop amores, desamores e paixões platônicas, em faixas como “Love is a Lonely Thing”, ao lado de Feist. Oportunidade para novos ouvintes conhecerem esses legítimos representantes de um tipo mais sensível de folk pop, que conquistou os brasileiros nos anos 2000, junto com os escoceses do Belle & Sebastian. (Amauri Arrais)
Imagem de destaque do post
Assistir

Documentários musicais para todos os gostos

Unindo a paixão por cinema e música, fica no ar até 27 de junho o 13º In-Edit, Festival Internacional do Documentário Musical. Com 50 filmes na programação, o evento acontece online e começa com uma homenagem a D.A. Pennebaker (1925-2019), diretor do clássico sobre Bob Dylan “Don’t Look Back”. Há longas para todos os gostos, do hip hop ao heavy metal, além dos focados em figuras como Jair Rodrigues e Luiz Melodia. Os nacionais podem ser acessados grátis, e os internacionais saem por R$ 3. (Leonardo Neiva)
Imagem de destaque do post
Ouvir

Ela está de volta

Depois de vencer na categoria de Melhor Canção do Ano no Grammy com "I Can't Breathe" (deixando gigantes como Beyoncé e Taylor Swift para trás), e de conquistar um Oscar pela música original “Fight for You”, a americana H.E.R., de apenas 23 anos, anunciou o lançamento do terceiro álbum da carreira. "Back of My Mind" chega nesta sexta-feira, 18. Uma das músicas, "We Made It", já está disponível. Além desta faixa, o álbum conta outros singles da cantora, como “Come Through”, com Chris Brown, e “Slide”, com o rapper YG. (Manuela Stelzer)
Imagem de destaque do post
Ler

Os 30 discos mais importantes de 1991

Para a Rolling Stone Brasil, não houve ano tão marcante para a música recente. Ali foram lançados álbuns icônicos como “Nevermind”, do Nirvana, “Metallica”, o disco de metal mais vendido de todos os tempos, e “Dangerous”, o último trabalho do Michael Jackson antes do declínio. No Brasil, teve “Circuladô”, do Caetano, “Tudo Ao Mesmo Tempo Agora”, dos Titãs, e “Mais”, segundo disco da Marisa Monte.(Betina Neves)
Imagem de destaque do post
Ouvir

Uma lista de artistas trans e não binários

Do Brasil, você já deve conhecer Linn da Quebrada, Liniker, Assucena Assucena. Para expandir os horizontes mundo afora, o site do programa alemão Electronic Beats elencou mais de 20 cantores e DJs trans de música pop, eletrônica, hip hop e outros estilos. Tem a ótima cantora indie Frances Forever, o tecno melódico do Baby Blue e o rap do nigeriano Tunde Olaniran. (Betina Neves)
Imagem de destaque do post
Assistir

A live de Gilberto Gil e Juliette

O músico apresenta seu repertório junino neste domingo (13), Dia de Santo Antônio, em show aberto a não assinantes do Globoplay e no Multishow. O arraiá será turbinado pela presença de Juliette, vencedora do “BBB 21”. Ela apareceu em vídeo dividindo os vocais com Gil em “Esperando na Janela”. São esperados clássicos, além de canções do recém lançado “São João em Araras” com hits de Luiz Gonzaga e de outros mestres da sanfona. (Amauri Arrais)
Imagem de destaque do post
Ouvir

'Persona', um disco obscuro brasileiro

Mais do que uma produção experimental, “Persona” (1975) é a trilha sonora de uma instalação de Roberto Campadello na XII Bienal de São Paulo, de 1973. Com estética psicodélica, a obra convidava o visitante a "sentar e sentir”, nas palavras do artista. O LP se tornou raro e, agora, é relançado pelo selo paulistano Discos Nada, que também resgatou “Gang 90 & Absurdettes" (1982) e “Fellini - A Melhor Coisa que eu Fiz (1984-90). (Luara Calvi Anic)
Imagem de destaque do post
Assistir

O ano em que a música mudou o mundo

A série documental “1971” é uma aula de história, política e cultura pop em doses viciantes. A cada episódio, foca em três ou quatro artistas que lançaram álbuns relevantes há 50 anos e que foram ator ou reflexo da política da época. No primeiro episódio, conta o efeito poderoso do álbum “What’s Going On”, de Marvin Gaye, que com muita elegância passou a mensagem dura e dolorosa tão necessária à época. Vale a audição do álbum também. (Isabelle Moreira Lima)
Imagem de destaque do post
Ler

Álbuns que contam 25 anos de história

Comemorando seus 25 anos, o Pitchfork revisita sua trajetória por meio de 38 críticas de álbuns históricos. O que começou com um site indie se tornou o veículo digital #1 da música hoje, em grande parte graças a polêmica de sua pontuação de zero a dez, e do cobiçado selo “Best New Music”. Quem ousaria dar uma nota zero para Sonic Youth, ou ilustrar uma crítica com um vídeo de um símio tomando sua própria urina? (Guilherme Falcão)
Imagem de destaque do post
Ouvir

Pet Shop Boys no Rio em 1994

Quem busca qualidade de som para ouvir sua banda preferida dificilmente gosta de gravações de shows ao vivo. Agora, quando a saudade de uma boa pista lotada bate forte como nestes tempos pandêmicos, faz todo sentido ouvir a estreia do Pet Shop Boys no Brasil, que acaba de ser remasterizada no álbum “Discovery: Live in Rio 1994”. Dá pra sentir o calor da pista carioca em hits como “West end Girls” e “Suburbia”. (Luara Calvi Anic)
Imagem de destaque do post
Ler

A nova onda do forró

Duas décadas depois do estouro do forró universitário, o estilo musical voltou às paradas de sucesso -- com transformações. Hoje, a pisadinha, estilo de forró eletrônico em que a base é feita só com um teclado, emplaca grandes hits e artistas, como Barões da Pisadinha, Tarcísio do Acordeon, Zé Vaqueiro e DJ Ivis, que têm até 8 milhões de ouvintes mensais no Spotify. O especial da UOL destrincha o fenômeno. (Manuela Stelzer)
Imagem de destaque do post
Ouvir

O novo disco de St. Vincent

Quatro anos depois de “Masseduction”, St. Vincent está de volta com seu sexto álbum: “Daddy's Home”. O disco, que é inspirado na prisão do pai da cantora em 2010 foi elogiado pela crítica internacional. Com lançamento nas plataformas de streaming nesta sexta-feira (14), as novas músicas de St. Vincent são inspiradas no funk americano da década de 70 e contam dramas familiares e prisões, sejam elas reais ou metafóricas. (Daniel Vila Nova)
Imagem de destaque do post
Fazer

A música negra brasileira, do glamour à criminalização

Oferecido gratuitamente pela plataforma Batekoo, o curso terá aula inaugural no dia 17 com a cantora Margareth Menezes e o músico Evandro Fióti. Depois, serão mais seis encontros com gente como o pesquisador e produtor Samuel Da Silva Lima e a educadora musical Nany Vieira discutindo temas como a glamourização e a criminalização do funk e a relação da educação com o movimento hip hop. Link para inscrições aqui. (Betina Neves)
Imagem de destaque do post
Ouvir

O álbum branco de João Gilberto

Está finalmente disponível nas plataformas de streaming o célebre disco de João Gilberto de 1973, também conhecido como “álbum branco”. Violão, voz, e a singela percussão de Sonny Carr dão o tom das canções hipnóticas, meditativas e repetitivas, que teriam sido influenciadas pelo contato do João com os Novos Baianos. Com produção de som de Wendy Carlos, canções como “Águas de Março”, “Avarandado” e “Eu Quero um Samba” soam como nunca as ouvimos antes (nem depois). (Guilherme Falcão)
Imagem de destaque do post
Assistir

O novo vídeo dos Chemical Brothers

Alerta de gatilho: o videoclipe de “The Darkness That You Fear”, a nova canção dos veteranos do breakbeat, contém cenas de boate, beijo na boca, aglomeração e muito, mas muito contato físico. Todas elas são colorizadas em tons luminosos sobre uma base preta, para lembrar que este momento de agora terá, sim, seu final e que um dia estaremos todos festejando, aglomerando, juntos, de novo. (Guilherme Falcão)
Imagem de destaque do post
Ouvir

A grande ciência de Laurie Anderson

Em 1982 a artista multimídia Laurie Anderson assinou um contrato de 7 álbuns com a gravadora Warner. O primeiro deles, Big Science, teve um hit improvável, O'Superman, poesia musicada com ares de mensagem de secretária eletrônica de 8 minutos de duração. O álbum acaba de ser relançado numa bela edição limitada em vinil vermelho, e está disponível também nas plataformas de streaming. (Guilherme Falcão Pelegrino)
Imagem de destaque do post
Ler

A história da Tropicália em 20 álbuns

Um dos mais importantes e revolucionários movimentos musicais brasileiros, a Tropicália é motivo de orgulho internacional 50 anos depois de seu surgimento. A Pitchfork, uma importante publicação musical dos EUA, selecionou 20 álbuns essenciais para mergulhar na história do movimento. Além de uma entrevista com Tom Zé, cada álbum escolhido é acompanhado por um texto de um crítico musical. (Daniel Vila Nova)
Imagem de destaque do post
Ouvir

O som de Eddie Chacon

O New York Times definiu a carreira de Eddie Chacon como uma montanha-russa: após 28 anos e um breve estrelato cantando soul music ao lado de Charles Pettigrew, ele aparece com o primeiro disco solo. Produzido por John Carroll Kirby, colaborador de Frank Ocean e Solange, tem sonoridades neo-soul eletrônicas e meditativas que aliviam os dias de confinamento por aqui — e fazem sonhar com o retorno de possibilidades e perspectivas. (Guilherme Falcão)
Imagem de destaque do post
Ouvir

‘Cancelado’, Djonga ressurge com novo álbum

E não é que março trouxe uma notícia animadora para os fãs de rap? Desaparecido das redes desde que foi criticado por causar aglomeração num show, o rapper Djonga foi um dos assuntos mais comentados da internet ao reativar sua conta no Instagram para avisar que tem álbum novo chegando. No trailer de divulgação do trabalho, que se chama “Nu” e sai sábado (13), o rapper se vê num julgamento popular (coincidência?), onde é guilhotinado. (Leonardo Neiva)
Imagem de destaque do post
Ouvir

O retorno de Duda Beat

Os fãs de sofrência pop podem se preparar para mais um lançamento da “rainha” do gênero. Às 0h de domingo (14), Duda Beat lança o novo single “Meu Pisêro” em todas as plataformas streaming, e às 11h, o clipe da música. Apesar de ter dado alguns spoilers sobre a novidade em suas redes, a artista ainda não compartilhou nenhum trecho da canção. A esperança é de que seja tão hit quanto “Bixinho”, lançado em 2018. (Dandara Franco)
Imagem de destaque do post
Ouvir

Encontros musicais e geracionais

Duas colaborações de peso movimentam a semana musical no Brasil. De um lado, Gilberto Gil lança o samba “Refloresta” com o filho Bem Gil e o trio Gilsons, formado por filho e netos do músico. A música foi gravada para uma campanha de reflorestamento do Instituto Terra. Já o cantor pernambucano Johnny Hooker dá nova roupagem à canção “Abandonada” (1996) ao lado de Fafá de Belém, sua intérprete original. (Leonardo Neiva)
Imagem de destaque do post
Assistir

A videografia do Daft Punk

Ao longo da carreira do duo francês, a imagem teve tanto peso quanto o som, basta assistir com atenção seus videoclipes. Colaboraram com diretores de cinema tão experimentais quanto pop como Michel Gondry (“Around the World”) e Spike Jonze (“Da Funk”); e desenvolveram um anime com a lenda Kazuhisa Takenouchi (“Interstella 5555”) cuja trilha está em “Discovery”. E, na era “Human After All”, celebraram a cafonice oitentista do VHS. (Guilherme Falcão)
Imagem de destaque do post
Ouvir

A trilha sonora da revolução

Um dos favoritos ao Oscar de 2021, "Judas e o Messias Negro" ainda não foi lançado no Brasil mas a sua ansiada trilha sonora já está entre nós. Jay-Z, Nas, A$AP Rocky e outros rappers cantam sobre o legado do ativista negro Fred Hampton, presidente dos Panteras Negras assassinado pelo FBI retratado no filme. O álbum, que conta com 22 músicas, é um ótimo aquecimento para o longa protagonizado por Daniel Kaluuya e Lakeith Stanfield. (Daniel Vila Nova)
Imagem de destaque do post
Assistir

A primeira vez de Bethânia

É com os maiores hits de seu repertório, muitos de shows como Brasileirinho e Rosa dos Ventos, que Maria Bethânia estreia no mundo das lives, quase um ano depois do formato ter se tornado a única saída para a música ao vivo. Será transmitido neste sábado (13), às 22h, pela Globoplay, com sinal aberto para não-assinantes. Será a primeira vez que a baiana se apresenta sem ter aplausos e retorno do público em seus 56 anos de carreira. (Dandara Franco)
Imagem de destaque do post
Ouvir

O legado pop de Sophie

Morta no último sábado (30/1), a produtora e compositora escocesa Sophie deixa um legado para a estética do pop deste século: suas canções de batidas distorcidas, texturas digitais e vozes manipuladas discutiam gênero, identidade, aparência, essência. Esta playlist organizada pelo New York Times ressalta composições próprias e colaborações com figuras do calibre de Charlie XCX e Madonna. Vale ouvir seu único disco, de 2019. (Guilherme Falcão)
Imagem de destaque do post
Ouvir

"Chega de Saudade" inédito

Em 1971, Caetano Veloso e Gal Costa se juntaram a João Gilberto e gravaram um especial para a TV Tupi. Após 50 anos, o produtor musical Pedro Fontes conseguiu recuperar e tratar o áudio do show, que agora está disponível em seu canal do YouTube. “Asa Branca”, "Chega De Saudade" e "Você Já Foi À Bahia?" são algumas das músicas cantadas pelo trio que podem ser escutadas pela primeira vez em mais de meio século. (Daniel Vila Nova)
Imagem de destaque do post
Ouvir

Uma genealogia das Boy Bands

Você aí do alto do seu bom gosto torce o nariz prá BTS, da mesma maneira que já deve ter torcido para One Direction, N*SYNC e Backstreet Boys. Mas o que o Escuta, podcast de música do Nexo mostra (ou toca) na primeira edição de 2021 é que essa história é tão antiga quanto a da música pop, que “boy band” é muito mais do que o estigma de jovens fãs descabeladas. E mais: que Beatles e Jackson 5 têm muito a ver com isso. (Guilherme Falcão)
Imagem de destaque do post
Ouvir

Saudades da voz de Karen O?

O TRZTN, nome artístico do músico, compositor e produtor Tristan Bechet, lançou esta semana o clipe “Hieroglyphs”, em nova parceria com a cantora americana Karen O -- os dois já tinham trabalhado juntos na trilha sonora de “Onde Vivem os Monstros” (2009). Com uma pegada surrealista, o vídeo é estrelado pela bailarina Victoria Dauberville. A música integra o álbum “Royal Dagger Ballet”, com lançamento previsto para esta sexta (22). (Leonardo Neiva)
Imagem de destaque do post
Ouvir

O universo do som

O que o filme “Psicose” e os macacos guigó, hoje à beira da extinção, têm em comum? A resposta está no podcast “Ser Sonoro”, criado e apresentado pelo pesquisador Fernando Cespedes e distribuído pelo TAB UOL. Das origens do ser humano aos acordes de Pixinguinha, ele investiga o que nos conecta aos sons, seja pela fala, música ou mesmo ruídos. Sete episódios já estão disponíveis no Spotify, Apple Podcasts e Google Podcasts. (Leonardo Neiva)
Imagem de destaque do post
Ouvir

Studio 54 em 2020

Sabe festa boa, que dá vontade de ficar até a última nota musical ser emitida pela caixa de som ou até o primeiro raio de sol sair? O novo álbum da inglesa Jessie Ware, “What’s Your Pleasure” é capaz de levar a essa pista perfeita, ainda que neste momento ela não exista. Com um clima superdisco, faz viajar no tempo: ao ouvir a faixa que dá nome ao disco, teletransporta-se à 1979 de “Born to be Alive”, de Patrick Hernandez, mas com mais classe. A seguinte, “Ooh La La”, mistura o baixo disco com o sintetizador do início dos anos 1980. Incríveis vocais, ecos de Madonna aqui, de dance italiano ali, e um monte de citações de outros marcos da história do pop estão ali – é um prato cheíssimo e delicioso para caçadores de referências. A crítica pirou, é possível que aconteça o mesmo com você.
Imagem de destaque do post
Assistir

O Axé nos tempos do cólera

Canto do Povo de um Lugar” foi produzido em 2016, mas só chegou ao Netflix na última semana. O timing é bom, o documentário é um elixir para quem sente falta de aglomeração, carnaval, alegria. Conta a história do que foi a revolução baiana iniciada nos anos 1980 quando nasceu o axé e que se seguiu pela década seguinte com o som da guitarrinha baiana, do rufo de tambores africanos, e as letras ora non-sense, ora cheias de referências vindas da África. Com entrevistas com músicos tão conhecidos como Caetano Veloso, Carlinhos Brown, Daniela Mercury, e outros de bastidores, como produtores e compositores que escreveram a história junto às celebridades, o filme começa a narrar a história do axé desde as primeiras gravações de Luiz Caldas, com maravilhosas imagens de arquivo de programas de TV e de outros carnavais, que permitem apreciar, além da música, uma estética perdida.
Imagem de destaque do post
Ouvir

Os melhores álbuns de 2020

Parece consenso: o ano foi ruim, mas a trilha foi boa. Apesar de shows e apresentações terem sido cancelados durante o ano, os lançamentos fizeram deste um grande ano para a música. Os críticos da revista Variety elegeram os melhores discos de 2020 em uma lista longa e eclética que vai de The Weeknd (foto) a Taylor Swift, passando pelo futuro nostálgico de Dua Lipa até o álbum catártico e indignado de Run the Jewels. (Manuela Stelzer)
Imagem de destaque do post
Ouvir

O poder do hard rock na Guerra Fria

Você já deve ter ouvido o assobio que abre balada “Wind of Change”, um hit da banda de hard rock alemã Scorpions. Ela foi um sucesso estrondoso no Brasil, é apontada como responsável por um baby boom na França no início dos anos 1990 e, segundo investigação do jornalista americano Patrick Radden Keef, pode ter sido também uma importante peça de propaganda política. A partir de uma pista dada por um ex-funcionário da CIA de que teria sido a agência americana de inteligência a verdadeira autora da música (e não o vocalista do Scorpions, Klaus Meine, dono da voz rouca), Keef passa a investigar a origem da música e apresenta essa história no podcast “Wind of Change”. A ideia é que a balada pop seria uma arma cultural para influenciar os países do bloco soviético depois da queda do muro de Berlim em 1990. No podcast, ele nos leva por sua investigação que vai de Washington D.C a Kiev, e que ouve de agentes aposentados da CIA, como a fascinante Jonna Mendez, viúva de Tony Mendez, retratado em “Argo”, 2012, a nomes envolvidos na cena roqueira dos anos 1990, como o empresário Doc McGhee, que conseguiu o feito de levar bandas americanas como Bon Jovi e Skid Row à União Soviética. (Isabelle Moreira Lima)
Imagem de destaque do post
Assistir

Novas Frequências: X

No ano em que completa dez anos de existência, o festival de performance e música de vanguarda e experimental Novas Frequências se viu obrigado a se reinventar. Organizado pelo crítico e curador Chico Dub, e realizado anualmente no mês de dezembro no Rio de Janeiro, o Novas Frequências será realizado de forma 100% digital. O tema do ano, "X", faz referência ao número romano mas às ideias de ruptura, negação, pluralidade e feminino, ao homenagear Jocy de Oliveira, primeira mulher a ter uma ópera encenada no Theatro Municipal de São Paulo, e pioneira na música eletrônica e multimídia. Entre 1º e 13/12, o line-up do evento, que conta só com artistas brasileiros, mistura performances musicais, experimentos sonoros e mesas de conversa. (Guilherme Falcão)
Imagem de destaque do post
Ler

Ludmilla: a rainha da favela

O novo single de Ludmilla consagrou sua realeza não só nas comunidades, mas no universo da música como um todo: a carioca se tornou a primeira cantora negra da América Latina a alcançar mais de um bilhão de streams só no Spotify. No clipe de “Rainha da Favela”, ela presta homenagem a suas maiores inspirações no funk: Tati Quebra-Barraco, Valesca Popozuda, MC Kátia A Fiel e MC Carol de Niterói; na letra, pede respeito ao trabalhador negro. Na ocasião do lançamento, a artista, casada com a dançarina Brunna Gonçalves desde 2019 e dona da própria carreira, diz ao Uol Universa que é “representatividade por onde quer que passe” e que serve de inspiração e referência para os jovens das periferias, algo que lhe faltou no passado. Na entrevista, Ludmilla fala sobre vida profissional, religião, racismo, amor e até filhos — já que ela e a companheira planejam ser mães em breve. (Manuela Stelzer)
Imagem de destaque do post
Ouvir

Retornos nostálgicos

O grupo de rock americano Grateful Dead já não brilha mais sobre os palcos, mas não deixou de mãos abanando sua legião de fãs de roupas coloridas, os "Deadheads", e os admiradores mais jovens que não alcançaram o tempo de vê-los ao vivo. Além da série de registros de shows históricos transmitidos em streaming durante a quarentena, o grupo que nasceu na Califórnia dos anos 1960 também lançou, este ano, duas edições comemorativas de trabalhos emblemáticos na sua trajetória. Depois do novo "Workingman’s Dead", agora é vez de "American Beauty", quinto álbum de estúdio -- e possivelmente o mais prestigiado -- ganhar uma versão remasterizada em ocasião de seu 50 aniversário. O trabalho vem acompanhado da gravação inédita de um show feito pela banda em 1971, em Port Chester, Nova York. Para os mais apegados, a peça está sendo comercializada em edições limitadas de vinil. Pelos mortais, ela pode ser apreciada na íntegra, em três discos, pelas plataformas de streaming. (Laura Capelhuchnick)
Imagem de destaque do post
Assistir

Como nasce um hit

“Oh, a vida é maior, é maior que você, e você não sou eu. Até onde eu iria, a distância nos seus olhos. Oh, não, eu falei demais.” Você já deve ter ouvido esses versos antes, provavelmente em inglês. Eles abrem a canção “Losing My Religion”, um dos maiores sucessos da banda americana R.E.M. e foco de um episódio da nova série documental da Netflix, “Song Exploder”. Um hino da insegurança e da dúvida é como o vocalista Michael Stipe descreve a música, cuja gênese é destrinchada ao longo de pouco menos de meia hora. Inspirada num podcast de sucesso, a primeira temporada traz um hit por episódio, em que artistas contam em detalhes o processo de concepção e lançamento de uma de suas canções. Além do conhecido refrão do R.E.M., a série conta com Alicia Keys apresentando a recente “3 Hour Drive” e Lin-Manuel Miranda, que abre o processo de criação da música “Wait for It”, do musical “Hamilton”, concluindo com o rapper Ty Dolla $ign falando sobre a gênese de “LA”. (Leonardo Neiva)
Imagem de destaque do post
Ouvir

A parceria de Céu e Liniker

O amor explicado pelo sol, o céu e o mar — a premissa antiga da lírica embala “Via Láctea”, novo single de Céu e Liniker, composto pela dupla em parceria com Anelis Assumpção. Unindo as vozes e estilos das duas cantoras em uma baladinha romântica, a canção chega às plataformas digitais acompanhada de um lyric video para quem quiser aprender a letra. O lançamento aproveita as vésperas da cerimônia de premiação do Grammy Latino, que acontece em 19 de novembro com Céu indicada em três categorias por seu último álbum, “Apká!” — Melhor Álbum de Pop Contemporâneo em Língua Portuguesa, Melhor Canção em Língua Portuguesa e Melhor Álbum de Engenharia de Gravação. (Mariana Payno)
Imagem de destaque do post
Assistir

Uma celebração da cultura coreana

Se você convive com algum adolescente é certo que já ouviu falar sobre K-pop. Extremamente popular, o gênero musical sul-coreano também arregimentou seguidores no Brasil e ganha uma programação especial no final de semana do dia 23 ao dia 25 de outubro. É quando acontece o K-Expo Brasil, o maior festival de cultura coreana da América Latina. Organizado pelo Centro Cultural Coreano no Brasil, a quarta edição do festival será 100% online e conta com palestras sobre culinária coreana, turismo na Coreia, Taekwondo e é claro, muito K-pop. Os fãs do gênero musical ainda podem conferir uma apresentação exclusiva da banda SF9, feita especialmente para os fãs brasileiros. As atrações serão transmitidas no canal do YouTube do Centro Cultural Coreano de forma gratuita e a programação pode ser vista no Instagram deles. (Daniel Vilanova)
Imagem de destaque do post
Ouvir

Os duetos de Flor e Gilberto Gil

Quem acompanha de perto a família Gil sabe que Flor Gil, filha de Bela e neta de seu Gilberto, recentemente encantou plateias mundo afora ao subir com o avô nos palcos para um dueto de “Norte da Saudade - Goodbye My Girl”. Se na época da turnê do disco “OK OK OK”, no ano passado, os vídeos de ensaios e apresentações da dupla bombaram no Instagram, agora avô e neta apostam no lançamento de um EP, em que entoam outras duas canções juntos: “Refazenda” -- que Flor já tinha gravado para a abertura do programa de sua mãe, Bela Gil, no GNT -- e “Volare” -- que a pequena também já tinha cantado com Gil a convite da TV italiana uns meses atrás. Reunidas no pequeno álbum “Gil & Flor - De Avô para Neta”, as parcerias da dupla contam ainda com a participação de outros talentos da família: Bem, José e Nara, filhos de Gil e tios de Flor. Além do EP, já disponível nas plataformas digitais, o clã esbanja esse DNA musical no clipe de “Norte da Saudade - Goodbye My Girl”.
Imagem de destaque do post
Ouvir

Uma aula sobre Philip Glass

Ele reinventou a música aditiva, repensou o piano, reinventou a ópera, fez trilha sonora para documentários experimentais, filmes de Hollywood, inspirou e foi inspirado por David Bowie. Com um currículo desses, não é à toa que Philip Glass é considerado o compositor norte-americano mais importante do século 20. Esta edição do Escuta, podcast de música do Nexo Jornal, conta a história de Glass desde seus anos de formação e estudo, passando por suas influências em música Serialista e Indiana, seu diálogo com outros contemporâneos como John Cage e Steve Reich, até suas colaborações com cineastas, dramaturgos, e até com a companhia de dança brasileira Grupo Corpo.
Imagem de destaque do post
Ouvir

Ambiência e espacialidade ao pé do ouvido

Nascida para segurar o mundo sob sua língua, “You, at the End” (você, no final) é a peça central de “The Fifth Season”, novo álbum de Lafawndah, lançado no início de setembro. Trombone, tuba, ambiência e uma espacialidade surreal permeiam o disco, inserindo-o numa genealogia de músicos de vanguarda como Brigitte Fontaine e Scott Walker. A iminência cinematográfica de que algo pode acontecer a qualquer segundo é aguda ao longo de todo o disco, mas ainda mais urgente nesta faixa, que lembra a Bjork da era “Volta”, ao mesmo tempo em que conversa com a cantora britânica FKA Twigs e recorda alguma trilha sonora de um filme exibido na madrugada. Lafawndah (née Yasmin Dubois), metade egípcia, metade iraniana, cresceu em Paris, morou no México, passou parte da infância em Teerã e hoje costura referências do jazz de vanguarda, da música de câmara, do folk, da literatura (a canção é um poema da performer Kate Tempest musicado). Para os dias em que o isolamento bater mais forte.
Imagem de destaque do post
Assistir

Arte periférica tão próxima como nunca esteve

Neste fim de semana, de sexta (18) a domingo (20), uma maratona de arte e cultura permite que se conheça a efervescente produção cultural das periferias pela plataforma do Sesc. O Festival Favela em Casa SP reúne artistas independentes -- pretos e periféricos, como lembra a organização -- que estão fora da bolha do mainstream. A curadoria de Andressa Oliveira, moradora do Campo Limpo, extremo sul de São Paulo, e de Marcelo Rocha, da cidade de Mauá, no ABC Paulista, reuniu 35 atrações de música, teatro, dança, cinema, literatura e artes visuais. As transmissões revezam-se entre performances ao vivo e gravações realizadas no Estúdio Curva, na capital paulista, e incluem, além de apresentações artísticas, uma série de bate-papos com convidados; entre eles, a escritora Helena Silvestre, a curadora, poeta, escritora e ativista Abigail Santos Leal e o educador social Mestre Gildásio.
Imagem de destaque do post
Ouvir

Caetano e Beatles para celebrar a esperança

Em 1968, os Beatles lançavam “Hey Jude”. Também em 1968, Caetano Veloso era preso pela ditadura militar. A canção, que a primeira vista não tem qualquer relação com o músico brasileiro, ganha uma nova versão na voz do cantor. Lançada em conjunto com o documentário “Narciso em Férias” (2020), – disponível no GloboPlay – o cover dos Beatles retrata a esperança sentida por Caetano ao ouvir a música durante um dos períodos mais escuros da vida do cantor. Enquanto estava preso, Caetano escutava “Hey Jude” no rádio de um sargento e o som lhe servia como um anúncio de luz. Única faixa inédita do documentário, a “Hey Jude” de Caetano pode também nos fornecer um sopro de esperança para os dias de hoje e a possibilidade de um futuro melhor.
Imagem de destaque do post
Ouvir

O novo batidão de M.I.A

Batidas fortes e dançantes e letra politizada contra o controle a que somos submetidos é a nova investida da rapper e compositora britânica M.I.A., que lançou nesta semana o single Cntrl, disponível apenas no site da cantora. Com a música, ela soltou um comunicado em que pede a liberdade de Julian Assange, fundador do Wikileaks, cuja extradição para os Estados Unidos está sendo decidida em julgamento desde a segunda-feira (7). “Você sabe que é liderado por tiranos quando falar a verdade é um crime”, afirmou em sua conta no Twitter. Esse é o segundo single que M.I.A. lança em 2020. A cantora promete um novo álbum para 2021, o primeiro depois de ter anunciado a aposentadoria há três anos.
Imagem de destaque do post
Assistir

‘A pausa é parte integrante da vida’

Gilberto Gil e Emicida são alguns dos artistas que discutirão a importância da pausa, tema que norteia os encontros, performances artísticas e experiências da 8ª edição do FLI 2020, o Festival Literário de Iguape, que tem curadoria da escritora Bianca Santana, colunista da Gama. A programação é dividida em duas partes: o prólogo, composto por conversas e apresentações que introduzem o evento ao público, entre os dias 7 e 19 de setembro; e o festival ao vivo no dia 20, que será transmitido por seis horas ininterruptas no Instagram, Facebook e Youtube do Programa Oficinas Culturais. Entre os participantes estão ainda Amara Moira, Marcelo D'Salete, Mel Duarte, Preta Rara, Roberta Estrela D’Alva, e outros nomes de peso da literatura, da música e da cultura brasileira.
Imagem de destaque do post
Ouvir

Uma metade tristeza, uma metade alegria

Um copo de vinho vazio sobre a mesa inspirou a reflexão que deu origem à canção: "é sempre bom lembrar que um copo vazio está cheio de ar". Composta por Gilberto Gil e gravada por Chico Buarque no disco "Sinal Fechado", de 1974, a música "Copo Vazio" retorna às vozes dos dois amigos em uma nova gravação e em um clipe em que cantam lado a lado. Metáfora para a perda da liberdade durante a ditadura militar, a bela letra de Gil ganha novos ecos em um 2020 de governos extremistas e pandemia duradoura — e, de quebra, serve de alento para estes tempos.
Imagem de destaque do post
Assistir

Música (e um pouco de Kiko Dinucci) no Youtube

Toda semana, a jornalista Fabiane Pereira recebe em seu canal Papo de Música um cantor ou cantora para conversar sobre sua obra e inspiração com o despojamento próprio dos vídeos de Youtube. Nesta edição, o convidado é o músico paulista Kiko Dinucci, que rememora o início da carreira, nos anos 1990, em uma banda de punk rock, e a imersão pelas referências de ritmos e artistas da cidade de São Paulo. Dinucci também fala da atualidade, dos novos projetos, como a produção do disco do rapper Rodrigo Ogi, e do cenário político brasileiro. As entrevistas são curtas, mas, para quem tem saudade dos bate-bolas bem-humorados da televisão, há quadros em que os músicos dão suas palhinhas e comentam canções marcantes, que gostariam de ter composto, entre outros temas.
Imagem de destaque do post
Ouvir

Um tributo remoto ao companheirismo

O isolamento nos impede de abraçar, mas não de cantar, nem de ouvir boas vozes. Para quem está com saudades de levar os amigos para um passeio, a nova música da cantora baiana Majur, "Andarilho", sua primeira composição no violão, pode ser um bom antídoto. A canção celebra vínculos afetivos de todas as naturezas, mas nasceu como uma homenagem da cantora ao melhor amigo, Rodris, com quem divide dores e alegrias há mais de dez anos. O single novo também ganhou um clipe, gravado remotamente, que já está disponível no Youtube. Para quem quer dançar e homenagear as boas amizades.
Imagem de destaque do post
Ler

A arte de dissecar o novo trabalho de Beyoncé

“Black is King” chegou à plataforma de streaming Disney+ na sexta 31 como um meteoro, dando muito o que falar -- até no Brasil, onde não está (oficialmente) disponível e nem tem previsão de chegar. O “álbum visual” de Beyoncé retoma “The Lion King: The Gift”, álbum musical lançado em 2019 com o filme da Disney “O Rei Leão”. Do que se trata? Como mostra este Expresso do Nexo, a partir da fábula da Disney, Beyoncé cria sua própria narrativa visual sobre a ancestralidade negra, as tradições e riquezas da África -- de onde surgiram as principais críticas. Artistas e pensadores africanos a acusaram de romantizar a África pré-colonial com representações das monarquias africanas e de “estereotipar” a cultura do continente. Debates sobre lugar de fala se seguiram, na esteira de críticas de pessoas não-negras à produção. Tão delicada é a tarefa de analisar tamanha empreitada de uma das maiores artistas dessa geração que o New York Times chamou seis críticos para analisar todos os aspectos da obra -- da moda à música, da dança às questões raciais e representações (e apropriações) da cultura africana.
Imagem de destaque do post
Assistir

Comemore Beethoven com a Osesp

Enquanto atividades culturais ficam sem previsão de retorno, a Osesp transmite concertos ao vivo diretamente da Sala São Paulo, sem plateia. Os próximos encontros, nos dias 7 e 8, contarão com duas apresentac?o?es dedicadas a obras de Beethoven, em comemorac?a?o aos 250 anos do nascimento do compositor alema?o. Os concertos ficarão disponíveis no canal do Youtube da Osesp posteriormente. A orquestra mantém ainda sua série de lives Música na Cabeça, às terças-feiras, com relatos de instrumentistas da casa sobre suas trajetórias.
Imagem de destaque do post
Ouvir

Billie, Angie e Róisón variam sobre o mesmo tema

Na última semana, três cantoras de gerações diferentes lançaram singles em que, de uma forma ou de outra, discutem o que estamos vivendo. A começar por Billie Eilish em “My Future”. Com um clima jazzy meio anos 1990, com pianinho elétrico e guitarra sutil, fala do futuro e de como mal pode esperar para conhecer ela mesma, numa ode romântica à autoestima. Já Angie Olsen faz climão dor de cotovelo em “Whole New Mess” e fala sobre tudo voltar ao normal e virar uma grande bagunça de novo ao som de uma guitarra suja tocada à maneira das harpas. Róisín Murphy, mais conhecida pela dupla Moloko, vai de escapismo disco para tempos de más notícias em “Something More”, em que ela incita a dançar e pede, repetidamente, algo a mais. Quem não quer mais hoje em dia?
Imagem de destaque do post
Ouvir

O novo (e espontâneo) disco de Seu Jorge e Rogê

É preciso muito talento para gravar um disco ao vivo (numa tacada só) e sem pós-produção. Essa foi a aposta de Seu Jorge e Rogê com "Night Dreamer Direct-to-Disc", álbum riscado direto no vinil e lançado sem nenhum tratamento posterior de som. Já disponível nas plataformas digitais, foi produzido na Holanda no início do ano em apenas quatro dias. O resultado é singelo, como uma espécie de metáfora para a amizade de mais de 30 anos dos dois compositores, grandes representantes de sua geração na música brasileira – há intimismo e beleza, mas também imperfeições. E não faltam símbolos de uma brasilidade com referências ancestrais comuns aos dois artistas: a canção "Meu Brasil", por exemplo, celebra nomes como João Gilberto, Zumbi dos Palmares, Dona Ivone Lara e Marielle Franco. Outras grandes figuras, entre elas Gilberto Gil, Caetano Veloso e Marisa Monte, também fazem companhia a Seu Jorge e Rogê no recém-lançado clipe de "Pra você meu amigo", uma das faixas do disco. O vídeo foi produzido com recursos realidade virtual para unir os dois parceiros que estão passando a quarentena em países diferentes.
Imagem de destaque do post
Ouvir

A surpreendente carreira musical de Dalai Lama

Ansioso? Cansado da conjuntura política? Vontade de jogar tudo pro ar? O Dalai Lama pode te ajudar a desestressar. Em comemoração ao seu aniversário de 85 anos, o líder espiritual do Tibete lançou um álbum de mantras chamado “Inner World”. Com 11 faixas, o disco conta com orações, mantras em uma pegada new age que promete acalmar até a mais ansiosa das almas. Disponível em plataformas de streaming musical e no YouTube, “Inner World” marca a estreia surpreendente de Dalai Lama no mundo da música. 
Imagem de destaque do post
Assistir

Um filme sobre o preço da fama

Uma estrela mirim que tinha tudo para ser um grande sucesso, mas se afasta dos palcos por motivos misteriosos. Essa é a premissa de “Ninguém sabe que eu estou aqui”, novo filme da Netflix e já disponível na plataforma. Isolado em uma fazenda no Chile, o agora adulto Memo, interpretado por Jorge García — o Hurley, de “Lost” —, tem dificuldades de se comunicar com outras pessoas e opta pela solidão. Com um toque de surrealismo, o diretor Gaspar Antillo conduz o espectador pelo labirinto que é a vida do ex-cantor, revivendo os traumas da juventude e os motivos pelos quais Memo não deu sequência a sua carreira musical. 
Imagem de destaque do post
Ouvir

Artes visuais e música

A Pinacoteca de São Paulo, que fechou as portas durante o período de isolamento social, tem usado o perfil do Instagram como plataforma de conexão com o público, onde comenta obras do acervo e promove debates com artistas. A série de posts leva a hashtag #pinadecasa e, nesta semana, ganha versão sonora. O museu passa a compartilhar, todos os dias às 11h, uma playlist que dialoga com uma obra de arte. A seleção é montada e a obra, escolhida por um mesmo convidado. A primeira é a escritora Djamila Ribeiro. As playlists ficarão disponíveis no perfil do Spotify da Pinacoteca. No Instagram, as obras em que foram inspiradas.
Imagem de destaque do post
Ouvir

A boa (e velha ou nova) música brasileira

Mauricio Valladares é fotógrafo, jornalista, radialista, DJ, e, agora, podcaster. Seu programa de rádio Ronca Ronca existe desde 1982, um dos mais queridos e duradouros da rádio brasileira: passou por diferentes emissoras, mudou de nome, criou playlists para gerações, e nesse ano, conquistou seu lugar no Spotify. Seja pela linguagem descontraída, pela seleção musical eclética e elegante, pelos comentários ou pela presença de convidados como Teresa Cristina e Moreno Veloso, o Ronca Ronca vale cada minuto. No site do programa de rádio, estão disponíveis episódios mais antigos, além de outros conteúdos produzidos por Valladares, como textos e fotografias.
Imagem de destaque do post
Ouvir

O álbum perdido de Neil Young

“Grandes canções sem as quais eu posso viver” ou “aquele que escapou”. É assim que Neil Young define “Homegrown”, álbum gravado entre 1974 e 1975 mas que ficou na gaveta por 45 anos. Composto em uma época conturbada da vida do músico, que tinha acabado de perder amigos importantes e passava por um término de relacionamento, Young optou por não publicar o álbum pois era doloroso e pessoal demais. Meio século depois, foi remasterizado e os fãs de Shakey finalmente podem ouvir o álbum que parecia ter escapado. Foi uma semana rara, em que dois gênios lançaram grandes obras, uma vez que Bob Dylan saiu com o seu novo “Rough and Rowdy Ways”.
Imagem de destaque do post
Ouvir

Sente-se à mesa com esses podcasters

A ideia é recriar a atmosfera dos jantares entre amigos, uma prática que parece tão distante quanto desejada. Em volta da mesa estão a executiva de marketing Daniela Cachich, o publicitário German Carmona, o jornalista Lúcio Ribeiro, e um convidado. No último episódio do Podcast Freestyle, a diretora-geral do Twitter Brasil, Fiamma Zarife, contou sua trajetória até o posto de comando da rede social, a partir do nascimento da filha de 16 anos, quando chegou à maternidade respondendo e-mails de trabalho. Na próxima terça-feira (15), é a vez do cantor e multi-instrumentista Silva sentar-se à mesa (ainda que à distância) e contar como, ao se desapontar com a religião evangélica, foi de músico de apoio gospel à estrela da nova MPB.
Imagem de destaque do post
Assistir

O rapper indígena que preserva a cultura nativa

O rapper Kunumi MC, nome artístico de Werá Jeguaka Mirim, abre o clipe de “Xondaro Ka'aguy Reguá” com uma frase que soa tão solene quanto uma profecia. “Existe uma lenda Guarani muito antiga, contada pelo nossos ancestrais. Ela diz que das águas nascerá um guerreiro que levará o seu povo a uma nova existência”. O vídeo de “Guerreiro da Floresta”, o nome da música de Kunumi em português, coloca o MC como o herói da profecia que busca a nova realidade. Rimada em Guarani, a música é um protesto de resistência e existência dos indígenas brasileiros, pedindo por demarcação de terra e reconhecimento do povo originário do Brasil. Dirigido pela dupla Angry, formada pelos cineastas Bruninho e Gabe Maruyama, o clipe está disponível no YouTube.
Imagem de destaque do post
Ouvir

O protesto musical de Bruno Capinan

Certas dores deveriam ser globais. Seja ela advinda de algo que ocorreu em Salvador, onde o músico Bruno Capinan nasceu, em Toronto, onde é radicado, ou em Minneapolis, onde George Floyd morreu. “Oitenta”, primeiro single do novo álbum do artista brasileiro, escancara a violência policial e o descaso brasileiro direcionado à população preta. Em uma atmosfera melancólica, Capinan relembra os 80 tiros disparados pela polícia militar que vitimaram o músico Evaldo dos Santos Rosa. “A polícia tá matando lá no Vidigal, a polícia tá matando em Vigário Geral, a polícia tá matando lá em Salvador, a polícia tá matando no interior do Brasil. Matando preto como nunca se viu”, canta. O single será lançado na sexta-feira (5) e o novo álbum de Capinan está previsto para o segundo semestre.
Imagem de destaque do post
Ouvir

Emicida em busca de soluções coletivas

“Você já parou pra pensar que você é parte de um sistema gigante? Um sistema que envolve todos os seres vivos, todos os elementos do planeta, todas as células do seu corpo.” É com essa frase que Emicida começa sua nova empreitada, “AmarElo Prisma”. Inspirado nas reflexões de seu último disco, “AmarElo” (2019), o rapper paulista produz conteúdos multimídia (vídeos, podcasts e posts em redes sociais) de forma colaborativa e os publica durante quatro semanas. Divididos em movimentos, os assuntos englobam os quatro pilares utilizados para compor o álbum de 2019: paz, clareza, compaixão e coragem. No canal do YouTube do músico, o primeiro vídeo do projeto fala sobre saúde física, alimentação e corpo e conta com os depoimentos do rapper Rael, de Dona Jacira, além da coordenadora nacional do MST, Débora Nunes. No podcast, Emicida e seus amigos compartilham histórias que relacionam paz e corpo.
Imagem de destaque do post
Ler

Arte brasileira no IMS digital

Crônicas de Ana Paula Maia, Cidinha da Silva, Geovani Martins e Itamar Vieira Junior; filmes da atriz e diretora Helena Ignez e do cineasta Takumã Kuikuro; vídeos dos artistas Edgar e Leona Vingativa e do fotógrafo Marcelo Rocha; e uma apresentação musical da Família Ernest Dias estão entre os primeiro trabalhos do programa IMS Convida. O Instituto Moreira Salles concebeu o programa como uma forma de dar apoio à prática artística durante a quarentena. Cerca de 60 artistas e coletivos produziram obras inéditas que levaram em conta a pluralidade e a diversidade do Brasil, que serão publicadas diariamente na plataforma. Na lista estão ainda nomes como os rappers Brô MCs, o cartunista Angeli, o cineasta Karim Aïnouz, o fotógrafo Roger Cipó e o coletivo Slam das Minas.
Imagem de destaque do post
Ouvir

Gaga comme il faut, pop

Lady Gaga adiou o lançamento de seu novo álbum por conta do coronavírus. Mas agora, mais de dois meses depois de isolamento social, ela lança “Chromatica” quase como um paliativo para quem sente saudades de noite e pista. Colorido e extravagante, o álbum conta com os singles “Stupid Love”, a parceria com Ariana Grande “Rain on Me” e a colaboração com a banda de Kpop BLACKPINK “Sour Candy” . Com 16 faixas, o álbum traz ainda uma participação de Elton John e pode ser encontrado nas plataformas de streaming como Deezer e Spotify.
Imagem de destaque do post
Ouvir

Salada musical com MC Duh Black

O rapper MC Duh Black, de "Gaiola É o Troco", regrava "Saigon", de Emílio Santiago. A canção, cuja letra ressoa como muitos lares em tempos de quarentena ("nosso apartamento um pedaço de Saigon"), é parte do projeto global "Deezer Home Sessions", que convidou artistas pop a misturar estilos e gravar covers de músicas icônicas. As versões podem ser escutadas no Deezer.
Imagem de destaque do post
Ouvir

O canto falado do rap cearense

Esse pode ser o primeiro álbum de estúdio de Rapadura, nome de palco do cearense Francisco Igor Almeida do Santos, mas se engana quem acha que ele é um novato. Com mais de 20 anos de carreira, o músico é um marco do cenário independente e seu novo “Universo do Canto Falado” é a prova de que Xique-Chico, como também é conhecido, é digno de um lugar na primeira fileira do rap nacional. Com rimas rápidas, um flerte entre repente e speedflow, o disco mistura ritmos regionais brasileiros com rock psicodélico e traz o gingado cearense. As 12 canções já podem ser encontradas em plataformas digitais como o Spotify e o Deezer.
Imagem de destaque do post
Assistir

Um festival com duplas improváveis da MPB

O isolamento social como regra do momento não impede que artistas talentosíssimos se reúnam em shows virtuais. Impossibilitado de trazer a São Paulo um line-up internacional cheio de nomes célebres, o festival Popload promove encontros semanais entre artistas brasileiros a partir desta semana. O “Home Hour Popload Festival” começa nesta quinta-feira, 14, com a cantora Duda Beat e o ator João Vicente de Castro. Já na próxima quinta, 21, cabe a Manu Gavassi e Letrux a missão de alegrar sua quarentena. E para fechar com chave de ouro, dia 28, Emicida e Tulipa Ruiz unem forças. Os shows podem ser assistidos no Facebook e no canal do YouTube do Popload. O festival foi criado como parte de um fundo de apoio para bartenders. Todos os shows acontecem às 19h.
Imagem de destaque do post
Ouvir

Beyoncé e Megan Thee Stallion são Selvagens

Descrever uma mulher como Megan Thee Stallion é uma tarefa difícil. Felizmente, ela já o fez de maneira brilhante. Autoproclamada "Mona Lisa da quebrada", a rapper lançou seu primeiro álbum em 2020 e viralizou no TikTok com seu hit “Savage”. Agora, ela se junta a ninguém mais, ninguém menos que Beyoncé por uma causa nobre. Queen Bey e Megan lançaram um remix da já clássica “Savage”, dessa vez com vocais de Beyoncé, e os lucros serão revertidos para uma organização que combate o coronavírus em Houston, cidade natal das duas cantoras.
Imagem de destaque do post
Ouvir

Para Criolo e Milton, existe amor em SP

Quando o rapper Criolo fez sua própria versão de “Cálice”, de Chico Buarque, ele chamou atenção de grandes nomes da MPB. Um deles foi Milton Nascimento. A amizade já gerou uma turnê e, para combater o COVID-19, os amigos vão se juntar mais uma vez. “Existe Amor” é o nome do novo projeto dos dois, que conta com um álbum com lançamento programado para maio e um fundo solidário para a população vulnerável durante a pandemia. O projeto ganhou sua primeira música e clipe na madrugada de sexta-feira (24), uma nova versão de "Não Existe Amor em SP" disponível no canal do YouTube do Criolo.
Imagem de destaque do post
Assistir

Filarmônica de Berlim a domicílio

O mundo da música pode estar parado por tempo indeterminado, mas isso não vai impedi-lo de ter acesso aos melhores concertos da Alemanha no conforto de seu sofá. A casa de orquestra Filarmônica de Berlim disponibilizou, de graça, seu acervo de apresentações gravadas no local. Com mais de dez anos de acervo, o serviço de streaming Digital Concert Hall está aberto para todo o público. Gratuito por 30 dias, a plataforma ainda oferece documentários e entrevistas exclusivas com os maiores nomes da casa.
Imagem de destaque do post
Assistir

Delivery de Ópera

Já pensou conseguir assentos incríveis para assistir a Rossini, Verdi e Bizet em montagens da Metropolitan Opera, uma das mais renomadas do ramo? Bem, você já conseguiu. O assento é seu sofá, basta apenas que acesse esse link disponibilizado no site do MET Opera. Na programação do Nightly Met Opera Stream, há um clássico por noite. As obras ficam disponíveis por 23 horas e fazem parte do longo acervo de mais de 14 anos de gravações da companhia. A programação está disponível no site e inclui até peças contemporâneas como 'Nixon in China', composto e regido por John Adams.