Coluna da Winnie Bueno: Ventos e desejos de mudança — Gama Revista
COLUNA

Winnie Bueno

Ventos e desejos de mudança

Para derrotar o negacionismo, as fake news, a propagação discurso de ódio, precisamos de uma agenda programática alicerçada no diálogo amplo e plural com o principal setor da população brasileira: o povo

10 de Janeiro de 2022

O ano de 2022 começou com sede de mudança e ventos de esperança. A conjuntura política não nos permitiu derrubar o governo Bolsonaro, embora seja evidente não apenas a insatisfação da população brasileira com a política implementada pelo Bolsonarismo, como a inépcia completa de seu líder enquanto gestor. A verdade é que, no fundo, nem mesmo Bolsonaro quer mais ser presidente. A crise evidente entre seus apoiadores também demonstra que o projeto conduzido por ele ruiu.

Contudo, é preciso estar atento e disposto a construir uma plataforma política que implique em mais do que palavras de ordem de rechaço à figura de Bolsonaro. Embora seu projeto pareça derrotado, parte significativa do que ele representa permanece em pé. Sobretudo no que diz respeito ao discurso ideológico. Não há timidez entre seus apoiadores em expressar o que há de mais nefasto na destruição dos direitos de negros, da comunidade LGBTQI+ e dos povos originários.

Nem mesmo Bolsonaro quer mais ser presidente. A crise entre seus apoiadores demonstra que seu projeto ruiu

Ao longo desses quatro anos Bolsonaro cumpriu com as pautas que lhe elegeram; a única pauta que o atual que o presidente não conseguiu sustentar — e que era pilar do seu programa de governo — foi o combate à corrupção. Essa afirmação pode parecer estranha, mas é preciso lembrar que parte significativa do que levou Bolsonaro ao Palácio do Planalto foi o desmonte de políticas públicas que beneficiavam populações subordinadas. A agenda anticorrupção maquiava uma agenda antinegra, antipovo. Uma agenda explicitamente comprometida em frear os processos de redistribuição de renda e de conquistas de direitos dos grupos socialmente minoritários que compõem a maioria da população brasileira.

Os ventos e desejos de mudança que observamos nesse ano recém iniciado, os anseios da população brasileira por um governo democrático e popular, não serão respondidos apenas com a discussão de nomes que possam derrubar o governo Bolsonaro. Tampouco o Bolsonarismo será derrotado meramente com a discussão eleitoral. Para derrotar o negacionismo, as fake news, a propagação discurso de ódio e todas as coisas que Bolsonaro representa, nós precisamos de uma agenda programática alicerçada no diálogo amplo e plural com o principal setor da população brasileira: o povo.

A agenda anticorrupção maquiava uma agenda antinegra, antipovo, comprometida em frear redistribuição de renda e conquistas de direitos

Dialogar intensamente com a população brasileira, ouvir seus anseios, apresentar projetos factíveis para solucionar as crises que vivenciamos: é disso que precisamos, é dessa esperança que estamos sedentos.

Winnie Bueno Winnie Bueno é iyalorixá, pesquisadora e escritora daquelas que gosta muito de colocar em primeira pessoa sua visão do mundo e da sociedade. É criadora da Winnieteca, um projeto de distribuição de livros para pessoas negras

Os artigos publicados pelos colunistas são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam as ideias ou opiniões da Gama.

Quer mais dicas como essas no seu email?

Inscreva-se nas nossas newsletters

  • Todas as newsletters
  • Semana
  • A mais lida
  • Nossas escolhas
  • Achamos que vale
  • Life hacks
  • Obrigada pelo interesse!

    Encaminhamos um e-mail de confirmação