‘Infiltrado’ na cultura, Ismael Ivo teve o corpo como ferramenta — Gama Revista
Marcos Villas Boas

‘Infiltrado’ na cultura, Ismael Ivo teve o corpo como ferramenta

Conheça retratos inéditos feitos por Gama e passagens da vida do bailarino, morto neste mês por complicações da covid-19

Gabriel Monteiro 13 de Abril de 2021

Seu corpo sempre foi usado como ferramenta. Talvez por isso, o bailarino e coreógrafo Ismael Ivo, morto aos 66 anos por complicações da covid-19 na última quinta-feira (8) após quase um mês de internação, preferia as escadas e os corredores labirínticos do Theatro Municipal do que acessar os elevadores. Era incansável, característica que mostrou a Gama quando visitamos cada canto do edifício acompanhados por ele, em 2019.

“Quando era jovem e não tinha dinheiro para o ingresso, ficava ali embaixo, no poleiro, para assistir aos espetáculos”, contou à época. Era um “infiltrado”, ele relembra, um morador da zona leste de São Paulo que se locomovia para o centro da cidade para ver dança e dançar. Foi diretor do teatro e do Balé da cidade, após uma carreira de quase quatro décadas como bailarino e coreógrafo no exterior.

No Municipal, recebeu Gama, onde posou para os retratos que ilustram esta matéria, e dividiu um pouco da sua história.

  • Imagem
    Marcos Villas Boas

    A guia de Salvador

    Sua dança era uma interpretação da mitologia afro-brasileira

    “O meu axé está na Bahia. Minha dança sempre reinterpretou a mitologia afro-brasileira, levando as raízes para movimentos contemporâneos”, afirmou a Gama em 2019. Foi em Salvador, durante o primeiro festival de dança contemporânea da UFBA, no final dos anos 1970, que o bailarino foi descoberto pelo norte-americano Alvin Ailey. Coreógrafo e ativista negro, Ailey foi um dos expoentes da dança moderna internacional e esteve no Brasil em alguns momentos com sua companhia.

    Desse encontro saiu o convite para que Ismael estudasse em Nova York. “O episódio em Salvador marcou minha carreira, quase como um conto de fadas, e nos dias em que eu estive lá tive outro momento memorável, símbolo de tudo. Fui ao Gantois, onde ainda vivia Mãe Menininha. Quando me aproximei de sua cama, ela falou em iorubá. Contaram que eu era brasileiro, não africano, mas ela mal ligou, insistiu em falar comigo em iorubá. Essa guia de lá representa toda essa história.”

  • Imagem
    Marcos Villas Boas

    Pina Bausch, um doce

    Expoente da dança-teatro foi amiga de Ivo

    A primeira parada de sua experiência europeia foi na Alemanha, onde Ismael conheceu a dançarina e coreógrafa Pina Bausch, expoente do movimento dança-teatro, uma das influências em seu trabalho. “Ela me convidou para dançar no Wuppertal, o teatro dela, e nos tornamos amigos. Era uma revolucionária! A imagem que ficou é da mulher muito alemã, austera e reservada. Mas me lembro de uma vez, quando me chamou para assistir um ensaio de sua companhia e a encontrei nos bastidores, fumando sozinha, depois de passar a coreografia com os bailarinos. [Ismael repetiu os movimentos em uma dança, como alguém muito pensativo, de olhos fechados, balançando os braços.] E então ela me viu. Perguntou o que eu tinha achado e eu respondi que estava lindo. Ela pediu para que eu falasse isso para os dançarinos porque eles não acreditariam nela. A verdade é que Pina era um doce. E essa foto é de quando entreguei o Leão de Ouro de Dança, da Bienal de Veneza, para ela.”

  • Imagem
    Marcos Villas Boas

    Noite adentro, com Marina Abramovic

    A experiência na Bienal de Veneza o apresentou aos principais artistas do mundo

    Ao longo de oito anos Ismael foi diretor da Bienal de Veneza, coordenando principalmente a agenda de dança da instituição. “Foi na Bienal que conheci Marina Abramovic. Juntos, participamos de uma série televisiva, o ‘Into The Night With’ (2003), uma produção alemã e francesa, que ganhou prêmio na Itália. Passamos 24 horas lado a lado em Berlim, em um brainstorming, compartilhando nossas ideias sobre dança, arte e as transgressões do corpo. Uma mulher maravilhosa, criamos uma grande amizade.”

  • Imagem
    Marcos Villas Boas

    Cidadão Paulistano

    Da zona leste para o mundo, foi o primeiro diretor negro do Balé da Cidade

    Em 2017, Ismael Ivo foi convidado a dirigir o Balé da Cidade e integrar a diretoria do Theatro Municipal. Na mesma época, recebeu proposta semelhante da Göteberg Ópera, na Suécia. “Ponderei muito, mas agora estou aqui. Batalhei nesta cidade e depois de quase quatro décadas fora decidi estar aqui.” Ismael nasceu e cresceu na Vila Ema, bairro da periferia da zona leste.

    Na cerimônia de posse do cargo, recebeu a medalha de mérito da cidade e falou sobre sua trajetória pessoal. “Pontuei que nasci pobre, em condições precárias, no fundo dos fundos dessa cidade e que realizei meu sonho por meio da dança. Falei como a sociedade não dá oportunidades e nem visibilidade para os seus habitantes em termos iguais e como é necessário abrir a janela dos sonhos. E que eu estava ali, sendo o primeiro diretor negro a assumir o Balé da Cidade em 50 anos de história.”

  • Imagem
    Marcos Villas Boas

    Reconhecimento afro-brasileiro

    Ivo recebe condecoração por sua importância como integrante da cultura do país

    “É aquela história do filho pródigo”, disse ao contar sobre as várias homenagens que recebeu quando voltou ao Brasil. Em 13 de maio de 2018, na cerimônia em celebração aos 130 anos da assinatura da Lei Áurea, o bailarino foi uma das personalidades condecoradas com a medalha do Mérito Cívico Afro-brasileiro, dada pela Faculdade Zumbi dos Palmares. O título é concedido à quem contribui na elevação moral, socioeconômica, cultural e educacional dos negros brasileiros. “Da mesma instituição também ganhei o Troféu Raça Negra. Acredito que foi um reconhecimento por tudo.”

  • Imagem
    Marcos Villas Boas

    Aliança cultural

    A Ásia como inspiração de vida e no trabalho

    “Este anel é muito simbólico para mim”, contou, enquanto mostrava o objeto no dedo. Ganhou de um xamã, durante uma visita à Bali. Apesar de conectado às raízes afro-brasileiras, durante toda a sua carreira na dança manteve um namoro com outras culturas, especialmente com as asiáticas, uma fonte de inspiração. “Sempre me considerei um bom Macunaíma e estamos aqui, no Theatro Municipal, onde Oswald de Andrade e seu grupo apresentaram seu Manifesto Antropofagista. Eu sempre gostei de entender outras culturas, comê-las, digeri-las e botá-las para fora na minha criação e fantasia. Este anel é um símbolo de aliança com outras culturas. E ele também é bem pesado, quase uma arma.”

VEJA TAMBÉM:

Quer mais dicas como essas no seu email?

Inscreva-se nas nossas newsletters

  • Todas as newsletters
  • Semana
  • A mais lida
  • Nossas escolhas
  • Achamos que vale
  • Life hacks
  • Obrigada pelo interesse!

    Encaminhamos um e-mail de confirmação