Conteúdos sobre negritude na Gama Revista

negritude

Imagem de destaque do post
Ir

Inhotim homenageia Abdias Nascimento

Após 10 anos da morte do artista e intelectual, o Inhotim sedia, de forma inédita, outro museu dentro de seu espaço: o Museu de Arte Negra, em parceria com o Ipeafro. A partir de 4 de dezembro e pelos próximos dois anos, o local receberá um programa de exposições diversas, sendo a primeira um diálogo entre as obras de Tunga e Nascimento, amigos de longa data. Todas as mostras desafiam conceitos vigentes da arte moderna, além de apoiarem e promoverem a produção de artistas negros. O Inhotim está aberto para visitação de quinta à domingo, e os ingressos custam R$ 44. (Manuela Stelzer)
Imagem de destaque do post
Assistir

‘Vingança & Castigo’, faroeste produzido por Jay Z

A nova produção da Netflix estreou esta semana. A história acompanha o bandido Nat Love (Jonathan Majors) que reúne um bando de criminosos para caçar o seu antigo rival, Rufus Buck (Idris Elba). Com direção de Jeymes Samuel e produção de Jay Z, o longa reimagina o papel de importantes figuras históricas negras do mundo dos cowboys e fora-da-lei. Regina King, LaKeith Stanfield e Zazie Beetz também acompanham Majors e Elba em um western que conta com um elenco principal formado somente por atores e atrizes negros. (Daniel Vila Nova)
Imagem de destaque do post
Assistir

O legado de artistas afro-brasileiras

De outubro a dezembro, o Sesc 24 de Maio recebe a Ocupação Olhares Inspirados: Raquel Trindade, Rainha Kambinda, uma homenagem à trajetória da multiartista pernambucana. Além da mostra, que conta com pesquisa da curadora Renata Felinto, a instituição promove rodas de conversa sobre a influência cultural e social de Raquel Trindade, e também sobre a presença de mulheres negras no universo artístico. A série de bate-papos virtuais tem mediação de Vitor e Elis Trindade, filho e nora de Raquel, e serão transmitidos no canal do Sesc 24 de Maio. (Manuela Stelzer)
Imagem de destaque do post
Ir

Uma mostra sobre Carolina Maria de Jesus

Organizada pelo Instituto Moreira Salles (IMS) paulista, a mostra "Carolina Maria de Jesus: um Brasil para os brasileiros" se dedica a celebrar a vida e a contribuição literária da catadora de papel e autora do clássico Quarto de Despejo (Francisco Alves, 1960), que narra sua rotina nas comunidades pobres de São Paulo. Além da escrita, o evento foca nas atividades de Carolina como compositora, cantora, e artista de circo. Com abertura no sábado (25), vai até o dia 1º de janeiro. (Andressa Algave)
Imagem de destaque do post
Fazer

A música negra brasileira, do glamour à criminalização

Oferecido gratuitamente pela plataforma Batekoo, o curso terá aula inaugural no dia 17 com a cantora Margareth Menezes e o músico Evandro Fióti. Depois, serão mais seis encontros com gente como o pesquisador e produtor Samuel Da Silva Lima e a educadora musical Nany Vieira discutindo temas como a glamourização e a criminalização do funk e a relação da educação com o movimento hip hop. Link para inscrições aqui. (Betina Neves)
Imagem de destaque do post
Assistir

A origem do Bekoo das Pretas

As festas não vão voltar tão cedo, mas o Instituto Das Pretas, em parceria com a Budweiser, encontrou um jeito de matar a saudade de uma aglomeração: a websérie “Bekoo das Pretas Made By Queens”. A série retrata a história da festa “Bekoo das Pretas”, evento cultural organizado por mulheres negras que celebra a diversidade racial nas periferias do Espírito Santo. Serão um total de sete episódios lançados até oito de abril, todos no YouTube. (Daniel Vila Nova)
Imagem de destaque do post
Ouvir

A trilha sonora da revolução

Um dos favoritos ao Oscar de 2021, "Judas e o Messias Negro" ainda não foi lançado no Brasil mas a sua ansiada trilha sonora já está entre nós. Jay-Z, Nas, A$AP Rocky e outros rappers cantam sobre o legado do ativista negro Fred Hampton, presidente dos Panteras Negras assassinado pelo FBI retratado no filme. O álbum, que conta com 22 músicas, é um ótimo aquecimento para o longa protagonizado por Daniel Kaluuya e Lakeith Stanfield. (Daniel Vila Nova)
Imagem de destaque do post
Assistir

As várias peles negras e o racismo que as une

Nove tons de pele, nove histórias, uma única realidade: racismo. O documentário “Dentro da Minha Pele”, já disponível na Globoplay, aborda um tema universal, mas que se desdobra de diferentes maneiras ao longo da vida de uma pessoa negra no Brasil. Do médico ao garçom, da modelo à trabalhadora doméstica, o longa explora e desvenda a discriminação racial, velada ou não, ao apresentar o dia a dia de nove pessoas com diferentes tons de pele preta na cidade de São Paulo. Selecionado para o Festival de Documentários da Holanda, o filme de Val Gomes e Toni Venturi conta com a presença de artistas como Chico César e Luedji Luna, além dos intelectuais Sueli Carneiro, Cida Bento e Jessé de Souza. (Daniel Vila Nova)
Imagem de destaque do post
Ler

Ludmilla: a rainha da favela

O novo single de Ludmilla consagrou sua realeza não só nas comunidades, mas no universo da música como um todo: a carioca se tornou a primeira cantora negra da América Latina a alcançar mais de um bilhão de streams só no Spotify. No clipe de “Rainha da Favela”, ela presta homenagem a suas maiores inspirações no funk: Tati Quebra-Barraco, Valesca Popozuda, MC Kátia A Fiel e MC Carol de Niterói; na letra, pede respeito ao trabalhador negro. Na ocasião do lançamento, a artista, casada com a dançarina Brunna Gonçalves desde 2019 e dona da própria carreira, diz ao Uol Universa que é “representatividade por onde quer que passe” e que serve de inspiração e referência para os jovens das periferias, algo que lhe faltou no passado. Na entrevista, Ludmilla fala sobre vida profissional, religião, racismo, amor e até filhos — já que ela e a companheira planejam ser mães em breve. (Manuela Stelzer)