documentário — Gama Revista

documentário

Imagem de destaque do post
Assistir

'Succession'? Não, F1

O mundo da Fórmula 1 é repleto de heróis, vilões e de tramas dignas das melhores séries. A Netflix sabe do potencial dramático do esporte e lança a terceira temporada de “F1: Dirigir Para Viver”, que acompanha dez equipes que concorrem na modalidade. Do triunfo de Lewis Hamilton ao drama das equipes menores, a série documental conta com dez capítulos, cada um focado em um time, e promete emoção até a última curva. (Daniel Vila Nova)
Imagem de destaque do post
Assistir

A história de SP num casarão

Giselle Beiguelman e Ilê Sartuzi fazem uma releitura da história de São Paulo a partir da arquitetura do Palacete de Nhonhô Magalhães, em Higienópolis. No documentário experimental "Nhonhô", uma câmera atravessa ambientes da casa vazia enquanto a fala do narrador relaciona personagem, história do bairro e o presente da cidade. Com curadoria de Solange Farkas, a produção está disponível até dia 31 de março na Videobrasil. (Manuela Stelzer)
Imagem de destaque do post
Assistir

Um retrato da violência policial na pandemia

João Pedro, Guilherme Guedes e Igor Rocha Ramos, adolescentes com idade entre 14 e 16 anos, foram mortos na vizinhança de casa, em plena pandemia, pela violência policial. É pela história deles que a jornalista Ligia Guimarães, da BBC Brasil, dá rosto às histórias que muitas vezes vemos apenas como estatísticas. O documentário, que reconta suas histórias e acompanha a vida de suas famílias na favela, está disponível no Youtube. (Isabelle Moreira Lima)
Imagem de destaque do post
Assistir

O Axé nos tempos do cólera

Canto do Povo de um Lugar” foi produzido em 2016, mas só chegou ao Netflix na última semana. O timing é bom, o documentário é um elixir para quem sente falta de aglomeração, carnaval, alegria. Conta a história do que foi a revolução baiana iniciada nos anos 1980 quando nasceu o axé e que se seguiu pela década seguinte com o som da guitarrinha baiana, do rufo de tambores africanos, e as letras ora non-sense, ora cheias de referências vindas da África. Com entrevistas com músicos tão conhecidos como Caetano Veloso, Carlinhos Brown, Daniela Mercury, e outros de bastidores, como produtores e compositores que escreveram a história junto às celebridades, o filme começa a narrar a história do axé desde as primeiras gravações de Luiz Caldas, com maravilhosas imagens de arquivo de programas de TV e de outros carnavais, que permitem apreciar, além da música, uma estética perdida.