Atila Iamarino responde - Questionário Proust — Gama Revista
Questionário Proust

Atila Iamarino

Biólogo

19 de Dezembro de 2020

Especialista em virologia, ganhou notoriedade nacional pelo trabalho de divulgação científica na internet durante a pandemia. Eleito a grande voz da ciência no Twitter quando o assunto é covid-19, ele acumula mais de um milhão de inscritos em seu canal do Youtube e lançou um livro didático sobre a crise do novo coronavírus

*Preferiu não responder
  • 1

    Qual é sua ideia de felicidade perfeita?

    Perfeita a felicidade nunca vai ser. Mas acho que é ter um objetivo espiritual, mental, psicológico, emocional, financeiro, material, o que for, e conseguir atingir esse objetivo — independentemente do tamanho que ele tenha ou de quão ambicioso ele é.

  • 2

    Qual é o seu maior medo?

    Meu maior medo é justamente isso: ou não saber o que eu quero, ou não conseguir ter o que eu quero, ou não saber calibrar a expectativa do que eu quero para o que eu sou capaz de fazer.

  • 3

    Que característica mais detesta em você?

    Displicência e preguiça com o meu tempo, com as minhas coisas e com cumprir o que eu me proponho, independentemente do que for.

  • 4

    Que característica mais detesta nos outros?

    Desonestidade intelectual. Pessoas que se fazem de desentendidas ou que distorcem o que estão entendendo quando sabem muito bem do que se trata.

  • 5

    Que pessoa viva você mais admira?

    Eu não sou uma pessoa de pessoas. Não sei eleger alguém que eu admiro muito, que eu sigo ou que eu conheço o suficiente da vida para admirar algo em particular, pelo menos de forma marcante.

  • 6

    Qual é a sua maior extravagância?

    Sem dúvida, cerveja. Gosto muito de cerveja artesanal, tomo bastante e gostaria de tomar muito mais cervejas do que eu alcanço agora.

  • 7

    Qual é o seu estado mental atual?

    Revolta ou, pelo menos, inconformidade com o que se passa. A humanidade já evoluiu muito cultural e tecnologicamente para estar passando pelo que passa agora ou para ter esse tipo de desigualdade ou falta de acesso ao que nós criamos. Se a gente assume que o mundo foi feito para servir os humanos, ou pelo menos nos comportamos assim, seria bom que isso fosse servido para mais humanos.

  • 8

    Que virtude considera superestimada?

    *

  • 9

    Em que ocasião você mente?

    *

  • 10

    O que menos gosta sobre sua aparência?

    *

  • 11

    Que pessoa viva você mais despreza?

    Pessoas que desprezam a vida com certeza são desprezíveis. Pessoas que se desfazem dos outros como se não fosse nada ou que tratam qualquer coisa como casualidades necessárias.

  • 12

    Que qualidade mais admira em um homem?

    Coerência interna. Pessoas que são francas com o que fazem, que seguem o que se propõe e que são claras sobre o que estão se propondo.

  • 13

    Que qualidade mais admira em uma mulher?

    Coerência interna também.

  • 14

    De que palavras ou frases você abusa?

    Provavelmente "já viu?", "já sabia?", "você conhece?". São as chamadas que eu uso para falar do que eu gosto e do que eu quero, principalmente no começo dos vídeos.

  • 15

    O que ou quem é o maior amor da sua vida?

    Dei muita sorte. Tenho uma companheira com quem convivo há quase metade da minha vida até aqui e que compartilha um senso de propósito e valores muito próximos dos meus. É uma sintonia muito grande. Tenho prazer de viver, trabalhar e construir uma vida com ela. É um privilégio enorme e sou muito grato por essa sorte.

  • 16

    Quando e onde você foi mais feliz na vida?

    Sempre. O estado presente é o mais feliz que eu já tive. Sou muito feliz e muito grato com o que eu tenho até hoje e me senti assim com o que eu tive até aqui. Viver num estado de felicidade plena não existe, mas sou feliz com o que eu tenho desde sempre.

  • 17

    Que talento você mais gostaria de ter?

    Eu gostaria de ter um talento ou musical ou de dança. Absolutamente não tenho coordenação física para nada disso. É uma coisa que eu gostaria de fazer, mas não dedico tempo nenhum a isso também.

  • 18

    Se você pudesse mudar uma coisa sobre você, o que seria?

    Seria o que eu mais detesto em mim mesmo: esse tipo de displicência. Saber respeitar ou fazer tudo que eu preciso, inclusive fisicamente. Cuidar do corpo e da saúde, de outras coisas, além do trabalho e do estudo, que é o que eu priorizo hoje.

  • 19

    O que considera sua maior conquista?

    Conseguir convencer as pessoas a ouvir o que eu gosto de falar. Para mim, são coisas muito importantes: me preocupo muito com educação, ciência, cultura e sou muito grato e feliz por poder falar disso para muita gente. Compartilhar a importância disso com mais pessoas é um grande feito para mim até aqui.

  • 20

    Se você morresse e voltasse como uma coisa ou uma pessoa, o que você gostaria de ser?

    Voltaria por aqui mesmo. Estou muito feliz com o que já acontece e não sei qual é o estado de espírito e a paz interna de outras pessoas. A gente sempre idealiza o que vê e não sabe como é estar naquela pele. Prefiro não arriscar e ficar com o jogo garantido aqui. Já sou bem feliz com ele.

  • 21

    Onde você mais gostaria de morar?

    Em muitos lugares. Adoraria viver em outras cidades para experimentar outras culturas: Japão, Europa, países como Nova Zelândia ou com uma cultura radicalmente diferente, como Moçambique, para conhecer um pouco sobre outras vidas. Não me sinto preso a algum lugar ou como alguém que precisa ter um lugar certo. Vivo no Brasil por escolha e poderia fazer essa escolha por outros lugares também.

  • 22

    Qual é o seu pertence mais estimado?

    Sem dúvida, meus fones de ouvido. Tenho vários tipos e não chamo de extravagâncias, porque tenho a sorte de trabalhar com o que eu ouço. Ouço audiolivros constantemente e me sinto pelado se estiver sem um fone de ouvido comigo para escutar alguma coisa na oportunidade que eu tiver de parar para ouvir. Consumo informação constantemente por aí.

  • 23

    O que você considera o nível mais baixo da desgraça?

    A desgraça tem muitas etapas, muito chão para cair. Um nível desprezível é quem disputa por atenção apelando para as emoções das pessoas. Pode parecer hipócrita porque eu estou tentando despertar a atenção das pessoas para muita coisa que acho importante, mas me baseio na ciência para dizer que isso é importante. Acho desprezível quem sabe que o que promove não é válido, mas apela para as emoções para poder fazer isso.

  • 24

    Qual sua ocupação favorita?

    Ler e estudar. Gosto muito de fazer isso, tenho a sorte de viver disso, e é algo que eu gostaria de fazer mais.

  • 25

    Qual sua característica mais marcante?

    Provavelmente o quanto eu falo. Falo muito, gosto de falar demais com as pessoas, gosto de falar demais do que me interessa. Vivo em cima desse tipo de coisa hoje em dia e, sem dúvida, as pessoas me reconhecem hoje pelo que eu falo.

  • 26

    O que você mais valoriza em seus amigos?

    Uma boa conversa. São pessoas que compartilham interesses, trazem ideias e contribuem com pontos de vista que nunca tive, com quem consigo me abrir e me expor também. É fundamental ter amigos que contribuem.

  • 27

    Quais os seus escritores favoritos?

    Meus escritores favoritos, porque sou uma pessoa inculta que não consome ficção, são escritores de não-ficção, de obras científicas ou próximas disso. São pessoas que eu leio muito, como Ed Yong e Carl Zimmer, autores de conteúdo de divulgação científica. Gosto muito do Bill Bryson. De ficção, o autor que eu mais gosto e a que volto constantemente para o que fez, uma das poucas obras de ficção que eu de fato consumo, é o falecido Terry Pratchett. Adoro o mundo que ele criou, gosto muito dos valores que ele coloca nos personagens, de como ele constrói as histórias e do humor dele.

  • 28

    Quem é seu herói na ficção?

    Não sei dizer. Não tem nenhum grande herói que admiro e venero, mas gosto muito da ideia do Batman: ser alguém que estuda e entende para fazer as coisas, que não usa só poderes físicos, mas sim planejamento para fazer o que faz.

  • 29

    Com qual figura histórica você mais se identifica?

    Sou inculto demais para poder eleger alguém aqui, não domino isso, mas admiro demais os grandes feitos científicos. Pessoas que chegaram a grandes conclusões: Einstein, Marie Curie, Darwin. São pessoas que mudaram o mundo com o pensamento, dando uma nova interpretação de como a natureza funciona. Mas é muito mais pelo que eles trouxeram de conhecimento do que por serem heróis ou pelas figuras que eles representam.

  • 30

    Quem são seus heróis na vida real?

    *

  • 31

    Quais são seus nomes favoritos?

    Não sei dizer.

  • 32

    O que você mais detesta?

    Acho que já falei nas outras perguntas ali.

  • 33

    Qual seu grande arrependimento?

    Subestimar a ignorância alheia. É muito triste se desapontar com o que a humanidade consegue fazer ou com o rumo que as coisas tomam, sem ter calibrado as expectativas para isso.

  • 34

    Como gostaria de morrer?

    Velho e lendo seria ótimo.

  • 35

    Qual é o seu lema?

    Aprender, aprender para o resto da vida. O mundo é muito interessante para a gente se conformar com o que a gente já sabe sobre ele. Tem muita coisa nova para descobrir constantemente, para mudar um pouco do que a gente pensa. Pode parecer uma coisa um pouco bitolada, mas é porque eu sou de fato uma pessoa bitolada dessa forma.