Conteúdos sobre feminismo na Gama Revista

feminismo

Imagem de destaque do post
Ler

Uma novela que grita "Abaixo o patriarcado!"

"Todos, todos os sadios prazeres da vida, enfim, são privilégios masculinos!", escreve Ercilia Nogueira Cobra, em "Virgindade Inútil" (Carambaia, 2022), que escreveu em 1927. Ela, que foi uma voz importante da literatura do início do século 20, mistura sátira, ficção e argumentação contra a dominação patriarcal. O cenário é um país chamado Bocolândia, onde se conserva um estado de estupidez. Em alguns momentos, soa como 2022. (Isabelle Moreira Lima)
Imagem de destaque do post
Ouvir

Uma conversa entre Sueli Carneiro e Mano Brown

O líder dos Racionais MC's recebe uma das maiores intelectuais do movimento negro brasileiro. Durante duas horas, duas das mais importantes figuras do Brasil contemporâneo debatem temas como racismo e a sociedade brasileira. Mais do que uma entrevista, Mano a Mano dá uma aula. Para quem deseja mais da filósofa, o 1º Festival Casa Sueli Carneiro tem uma programação inteira online e presencial. (Daniel Vila Nova)
Imagem de destaque do post
Assistir

O manifesto contra a misoginia que venceu o Festival de Berlim

Em 2021, o filme “Má Sorte no Sexo ou Pornô Acidental”, uma crítica com humor ácido ao machismo, estreou arrebatando o Urso de Ouro. Agora, o longa está sendo lançado em circuito comercial no Brasil. Embora trate da realidade da Romênia, país do cineasta Radu Jude, este conto sobre o preconceito sofrido por uma professora que teve sua sex tape vazada encontra ressonância no mundo todo. (Leonardo Neiva)
Imagem de destaque do post
Ir

A tirania dos nomes de plantas no Museu Judaico

Desvendando apelidos preconceituosos de plantas como judeu-errante e maria-sem-vergonha, a artista e pesquisadora Giselle Beiguelman apresenta “Botannica Tirannica”, que investiga a genealogia e a estética de nomes dados a plantas “daninhas”. Na exposição, estão categorizados em antissemitas, machistas, racistas, contra indígenas e ciganos, e acompanhados de vídeos e pinturas. Até 18/9, no MUJ, em São Paulo. (Leonardo Neiva)
Imagem de destaque do post
Ir

“Pós-F”, de Fernanda Young, no teatro

Em 2020, a peça foi transmitida via streaming, por conta das regras sanitárias de distanciamento social, e agora chega aos palcos físicos. Baseada em livro homônimo de Fernanda Young, com direção de Mika Lins e atuação de Maria Ribeiro, que é colunista da Gama, o trabalho recebeu o Jabuti em 2019. O monólogo expõe o feminismo, o machismo, o assédio, a maternidade e o amor. Até fim de junho no Teatro Porto Seguro, em SP. (Manuela Stelzer)
Imagem de destaque do post
Ler

Escritora francesa Annie Ernaux fala do próprio aborto em novo livro

Nesta quarta (23), a Fósforo lança “O Acontecimento”, mais uma obra da aclamada escritora francesa Annie Ernaux, autora de “Os Anos” e “O Lugar”. No livro, ela resgata sua jornada solitária na tentativa de realizar um aborto clandestino na juventude, quando a prática era proibida na França. Uma reflexão sobre as intromissões da lei sobre o corpo feminino, o livro já virou até um filme, que recebeu o prêmio máximo em Veneza em 2021. (Leonardo Neiva)
Imagem de destaque do post
Ler

Reportagem reconta o calvário da modelo Mari Ferrer

A revista Piauí destrincha a noite que nunca terminou para a jovem mineira, que acusou o empresário André Aranha de estupro em 15 de outubro de 2018. O caso ganhou notoriedade nacional com a divulgação do vídeo da audiência na época, que mostrou o tratamento humilhante e machista dado a Ferrer, retratada como golpista pelo advogado de defesa. A reportagem examina pormenores e contradições do caso, que terminou com a absolvição de Aranha em outubro deste ano. (Betina Neves)
Imagem de destaque do post
Assistir

O documentário ‘Apenas Meninas’, sobre casamento infantil

Dirigido por Bianca Lenti, o longa reúne depoimentos, dados e experiências de sete adolescentes submetidas ao casamento precoce. A ideia da diretora é tratar do tema como algo menos associado ao extremismo religioso do que se imagina, e levantar o debate sobre uma prática comum no Brasil, que ocupa a quarta posição no ranking mundial de casamentos infantis. Disponível na HBO Max, aborda a desigualdade e a violência dos casos e a necessidade de apoio a meninas em vulnerabilidade social. (Andressa Algave)
Imagem de destaque do post
Ler

A nova edição de ‘Má Feminista’, clássico de Roxane Gay

Um clássico contemporâneo do ativismo de gênero, o livro “Má Feminista”, lançado em 2014 pela escritora, professora e ativista americana Roxane Gay, acaba de ser relançado com nova edição pela Globo Livros. Com tradução de Raquel Souza, o livro conta com uma série de ensaios críticos de um feminismo ainda cheio de clichês -- e a dificuldade de se encaixar em alguns critérios dentro do movimento. Roxane expõe questões de raça, gênero e identidade nas bolhas do cotidiano e na cultura moderna, tratando de música, cinema, televisão e literatura. À venda no site da editora. (Andressa Algave)
Imagem de destaque do post
Ler

A assinatura de literatura feminista Clube F.

A editora independente Bazar do Tempo conduz o serviço de assinatura Clube F., que reúne múltiplas vozes e teorias feministas em um espaço de debate e colaboração. A plataforma disponibiliza para assinantes o livro do mês, debates em grupo, conteúdos extras e descontos em livrarias parceiras. Em agosto, a indicação do clube é o livro “Crítica da Colonialidade em Oito Ensaios”, da antropóloga argentina Rita Segato, que propõe uma visão afiada das relações de raça e gênero na modernidade. (Andressa Algave)
Imagem de destaque do post
Ler

A pobreza de tempo das mulheres

Sobrecarregadas pelas intermináveis tarefas domésticas e o cuidado com filhos no último ano, as mulheres foram afastadas do mercado de trabalho. Mas antes da pandemia essa já era a realidade. À plataforma Gênero e Número, a juíza Bárbara Ferrito, autora de um livro sobre discriminação da mulher, explica o conceito de pobreza de tempo: fenômeno que as impede de trabalhar fora de casa e que gerou desigualdade ainda maior na pandemia. (Manuela Stelzer)
Imagem de destaque do post
Ouvir

Histórias esquecidas do futebol feminino

Muita gente acredita que o futebol feminino "não tem história”. O que pouca gente sabe é que o esporte para mulheres foi proibido no Brasil por cerca de 40 anos, por um decreto nacional que apagou trajetórias de times em diferentes partes do país. Narrativas como essa são contadas pela voz de Leci Brandão no Audioguia Mulheres do Futebol, uma iniciativa do Museu do Futebol, disponível no Spotify e no Youtube. (Manuela Stelzer)
Imagem de destaque do post
Ler

A amiga genial de Simone Beauvoir

Com a promessa de ser o romance mais íntimo da filósofa e escritora Simone de Beauvoir - que tem papel fundamental na luta feminista e no ativismo político - o inédito “As Inseparáveis” (2021) relata a sua forte história de amizade com Élisabeth “Zaza” Lacoin, com quem partilhou grandes momentos da vida desde os nove anos, como conta esse texto da revista Quatro Cinco Um. O livro chega ao Brasil após 34 anos da morte da autora. (Dandara Franco)
Imagem de destaque do post
Ler

As mentiras que Hollywood conta sobre garotinhas

De Drew Barrymore a Britney Spears, passando por Mara Wilson, de “Matilda”, muitas foram vítimas. Em texto ao New York Times, Wilson desabafou sobre os perigos de ser famosa ainda na infância, e como a indústria audiovisual cria meninas para destruí-las depois. A atriz se compara a Spears -- ambas foram sexualizadas pela mídia e tiveram namorados interesseiros. A diferença é que Wilson teve apoio familiar. (Manuela Stelzer)
Imagem de destaque do post
Assistir

Uma jovem desafia as convenções do xadrez

Uma garota prodígio tenta conquistar o título máximo do xadrez mundial em “O Gambito da Rainha”, minissérie de ficção disponível na Netflix. Apesar do nome, a história nada tem a ver com as pernas da rainha Elizabeth II, como sugerem as várias piadas e memes que pipocaram na internet. Os gambitos em questão são movimentos típicos do xadrez, em que o jogador sacrifica uma de suas peças com a intenção de conseguir uma posição mais vantajosa no jogo. Interpretada pela atriz Anya Taylor-Joy (de filmes como “A Bruxa”, “Fragmentado” e “Emma”), a protagonista Beth Harmon é uma órfã que ainda luta com problemas emocionais e contra o vício em álcool e drogas nos anos 1950 e 1960. A série é inspirada no livro de mesmo nome, escrito pelo norte-americano Walter Tevis, autor de obras que originaram sucessos do cinema, como “O Homem que Caiu na Terra” e “The Hustler”. A narrativa da série desafia as convenções de um esporte predominantemente masculino e de histórico machista. Na vida real, até hoje nunca houve uma campeã feminina do torneio mundial de xadrez, excetuando-se as competições exclusivamente para mulheres. (Leonardo Neiva)
Imagem de destaque do post
Assistir

O que muda quando mais mulheres ocupam a política?

É o que tenta responder a recém-lançada série "Eleitas", sobre o imaginário de mulheres latino-americanas em cargos eletivos. Os episódios, disponíveis no Youtube, foram desenvolvidos com base em um estudo feito pelo Instituto Update, lançado simultaneamente à série, que mapeia a atuação de mais de 90 mulheres eleitas em seis países da América Latina. Nas entrevistas, elas falam sobre a própria trajetória, os novos desafios que encontram e o futuro horizonte do debate político.
Imagem de destaque do post
Ouvir

Uma ode à maternidade real

Todas as quartas, a tríade de podcasters Camila Fremder, Helen Ramos e Tati Bernardi recebe uma convidada para falar de vida real, ralação e inseguranças da maternidade. E também sobre a suspeita de que não há método para ser a mulher perfeita, a profissional do ano e a melhor mãe do mundo. Nesta edição, a consultora de estilo e podcaster Marina Santa Helena participa do papo sobre como é ter filhos e se ver fazendo tudo o que sempre jurou que não faria como mãe. Se às vezes bate aquela sensação de estar sendo uma mãe de merda, esse é o seu podcast.